A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019

02/08/2019 15:31

A inovação tecnológica quebrando mitos

Por Roberta Züge (*)

O termo dominante pode ser utilizado sob vários aspectos, desde questões sociais, passando por psicológicas e, também, na genética. Na genética, antes das novas tecnologias ganharem mercado, somente o que conseguíamos “ver”, ou seja, o que se expressava, se podia identificar, que é o que se chama de fenótipo – como a dominância, em humanos, de olhos castanhos aos olhos azuis. Como é de conhecimento popular, dois pais de olhos castanhos, caso ambos tivessem na sua ascendência pessoas de olhos azuis, poderiam ter filhos de olhos azuis.

Nos mamíferos há genes que determinam as colorações de pelagem (ou cor dos cabelos em humanos), em quase todos existem pelagens que são dominantes e outras recessivas. Em raças, como a holandesa, claramente são identificadas as pelagens; ou é preto e branco ou é vermelho e branco. Sendo o preto dominante sobre o vermelho. Mas esta coloração vai além do “Aa” das aulas de genética. Pois, há uma influência de genes chamados epistáticos, no qual há uma interferência de diversos genes para influenciar determinada característica fenotípica. Estes genes podem inibir a ação de outros, fenômeno que recebe o nome de “epistasia”*¹. O gene que não é capaz de se manifestar é chamado de hipostático, enquanto o inibitório, de epistático.

Para os criadores da Raça Holandesa havia a premissa que dois vermelhos não poderiam ter um filho preto. Se isto acontecesse, a pobre vaca ficava “mal falada” no rebanho. Isto ia muito além da fofoca no curral; no caso do registro genealógico, que é a certidão de nascimento do animal, que garante a genealogia, não poderia ser realizado. Ou seja, o animal ficava sem o registro e perdia muito do seu valor comercial.

Com o advento das novas tecnologias, pode-se identificar, na Raça Holandesa, que do ponto de vista genético, há duas localizações responsáveis pela coloração da pelagem: localização “vermelha dominante” e localização “vermelha recessiva”.

Cada animal possui dois genes da cor de pelagem na localização do gene “vermelho recessivo”, sendo que um deles é advindo do touro e o outro da vaca. Apesar desta condição, apenas o gene mais dominante se manifestará, através de características fenotípicas apresentadas (aparência exterior).

O gene para cor vermelha e branca se faz presente em todos os rebanhos, porém, este nem sempre pode ser identificado devido à influência de outros genes epistáticos, que impedem a sua manifestação.

O gene para a cor da pelagem vermelha e branca é aparente quando ambos os pais (vaca e touro) são portadores ou exibem os traços. O gene para a coloração preta e branca é responsável pela pigmentação dos pelos, deixando-os pretos; além dos cascos, contorno dos lábios e, também, as pálpebras. Para a expressão do gene da pelagem preta e branca, este pode estar em homozigose*² ou em heterozigose*³.

Atualmente, aceita-se a geração de descendentes de pelagem preta e branca a partir de pais vermelhos e brancos. E, com a facilidade e diminuição dos custos dos exames, dos testes de avaliação genética, como o teste de DNA para comprovação de paternidade, dois pais vermelhos e brancos podem registrar um filho preto. Assim, a Associação Brasileira de Bovinos da Raça Holandesa – ABCBRH, responsável pelos registros (o cartório da Raça Holandesa), após a comprovação de parentesco, permite que o animal preto, filho de dois vermelhos, faça parte do seu Herd Book.

Sem dúvidas, muitas vacas merecem pedidos de desculpas.

*¹ Genes epistáticos ou epistasia se define como uma interação gênica, na qual há uma interferência de diversos genes para influenciar determinada característica fenotípica. Estes genes podem inibir a ação de outros, fenômeno que recebe o nome de “epistasia”. O gene que não é capaz de se manifestar é chamado de hipostático, enquanto o inibitório, de epistático.

*² Homozigose significa “o mesmo”. Caracteriza-se pela expressão do mesmo gene pelos progenitores do animal, para uma característica específica.

*³ Heterozigose caracteriza-se por um genótipo no qual foram recebidos do touro e da vaca genes diferentes. O gene com maior dominância se manifestará sobre as características exteriores do animal.

(*) Roberta Züge é diretora administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS); Vice-Presidente do Sindicato dos Médicos Veterinários do Paraná (SINDIVET); Médica Veterinária Doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP).

Dia da Pessoa com Deficiência Intelectual
A Deficiência Intelectual, também conhecida como Transtorno do Desenvolvimento Intelectual, apresenta como característica a limitação nas habilidades...
Marketing de causa: quem ganha?
Muito se ouve falar sobre empresas que fazem Marketing Relacionado à Causa, mais conhecido como Marketing de Causa, mas ainda existem dúvidas sobre q...
Florestinha: uma experiência integradora
A responsabilidade de estimular uma educação voltada para o uso sustentável do meio ambiente e sua preservação, considerando a necessidade de ampliaç...
Boas novas para os hortifrutis
Toda vez que aumenta o tom de debates sobre defensivos agrícolas, sinto que se corre o risco de perder um pouco da dimensão histórica da questão fito...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions