A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Novembro de 2018

03/04/2017 15:39

A minha (e a sua) escolha faz a diferença no trânsito

Por Márcia Pontes (*)

Na vida você sempre faz escolhas: escolhe uma carreira, escolhe alguém para ficar ao seu lado, escolhe um lugar para morar, o nome dos filhos, escolhe o time que vai torcer. Escolhe o bicho de estimação, o carro que vai dirigir e até a cor do carro que vai dirigir. Você escolhe os amigos, escolhe para onde viajar…

Da mesma forma, há outras escolhas que podem mudar os rumos da sua vida e da vida de outras pessoas e que trazem consequências: você escolhe digitar ou não enquanto dirige, falar ou não ao celular enquanto dirige, você escolhe se vai ou não beber antes de pegar o volante.

Você escolhe a velocidade do seu carro, escolhe se vai obedecer ou não as regras de trânsito; escolhe se vai colocar ou não a sua vida dos outros em risco; machucar, entristecer, deixar nas pessoas marcas dolorosas para o resto de suas vidas. Tudo é consequência das escolhas que você faz. Da próxima vez que você dirigir, o que vai escolher?

O texto acima é o do vídeo oficial do Maio Amarelo 2017 e da campanha Minha Escolha Faz a Diferença no Trânsito, criados pela F&Q Brasil para o Observatório de Segurança Viária, que coordena o Movimento. Sempre por trás daquilo que muitos chamam de “fatalidade”, falta de sorte, ou vontade de Deus, existe uma escolha que se não fosse feita provocaria o acidente, ou provoca como resultado da escolha errada. É esse momento, o da escolha, que vai determinar o que vai acontecer no trânsito, na sua vida e na vida dos outros.

Se eu sou pedestre, posso escolher entre atravessar a rua sobre a faixa ou fora dela e assumir o risco de um atropelamento que vai fazer com que os tribunais brasileiros me sentenciem à responsabilidade pelo próprio acidente, se estiver a menos de 50 metros da faixa.

Se eu sou motociclista e escolho colocar o capacete suspenso na testa, proteger o cotovelo em vez da cabeça ou apenas encaixar a cabeça no equipamento de segurança sem afivelar a tira no queixo, eu vou arcar com as consequências dos meus atos, do traumatismo craniano, da sequela permanente e até da minha morte.

Se eu sou ciclista e escolho pedalar na contramão, sem prudência e sem equipamentos obrigatórios para a minha segurança, serei responsabilizado na exata medida de minha negligência pelo acidente que vai me machucar muito mais do que ao condutor que colidiu de frente com a minha bicicleta.

Se eu sou motorista e escolho atender o celular enquanto dirijo, digitar, ultrapassar em local proibido, acelerar além da velocidade permitida na via, dirigir cansado, com sono ou irritado, com o estado emocional abalado, eu estou assumindo os riscos e as consequências dos meus atos irresponsáveis.

Na vida e no trânsito estamos o tempo todo fazendo escolhas que mudarão para sempre o rumo de nossas histórias e das histórias alheias. Só que no trânsito algumas escolhas trazem muito mais prejuízos do que o mico de ter escolhido errado a cor da blusa que não combinou com a calça ou com o sapato. A escolha errada vai trazer dor, sofrimento, desespero, desengano, abandono, injustiça, vai deixar pais órfãos de seus filhos e estes órfãos de seus pais.

No trânsito, nossas vidas e as nossas escolhas vão mudar destinos. Passamos uns pelos outros nas vias públicas como estranhos, como se não tivéssemos responsabilidade alguma sobre a vida do outro condutor, da gestante ou da criança que ele transporta, quando na verdade, serão as nossas escolhas que vão determinar se nós e se eles completarão a trajetória no trânsito e na vida.

Quantos se foram cedo demais, quantos ainda choram a perda de seus amados por conta de escolhas erradas feitas por eles próprios ou por outras pessoas e que as atingiram em cheio, mudando por completo o rumo de suas vidas?

A minha escolha faz a diferença no trânsito é o tema do Maio Amarelo 2017 na sua 4ª edição e também o tema da Semana Nacional do Trânsito. É um apelo para que seja também o nosso norte, a nossa bússola, o que nos orienta para a tomada de decisões na vida e no volante, no guidom e no pedal.

Que estejamos sempre lúcidos para que façamos sempre a melhor das escolhas: a escolha pela vida, pela prudência, pela responsabilidade, e que tenhamos sempre a dignidade de assumirmos as consequências pelos nossos atos.

E você, o que vai escolher da próxima vez que for dirigir?

(*) Márcia Pontes é educadora de trânsito, escritora e Coordenadora do Movimento Internacional Maio Amarelo em Santa Catarina; realiza um trabalho voluntário de Educação para o Trânsito online nas redes sociais com foco na segurança no trânsito, ética e cidadania; escreve o Blog Aprendendo a Dirigir, voltado à formação significativa de condutores e prevenção de acidentes; é graduada em Segurança no Trânsito pela Unisul e tem especialização em Planejamento e Gestão de Trânsito pela Unicesumar

Como fazer boas compras sem cair em uma armadilha
A maior e mais famosa data promocional do comércio está chegando e com ela a euforia de comprar aquele objeto de desejo por um preço amigo. A vontade...
A Consciência Negra e as cores da desigualdade
O Dia da Consciência Negra faz referência ao dia da morte de Zumbi, líder do Quilombo de Palmares, que lutou para preservar a cultura dos africanos q...
Comércio exterior: que política?
O governo que assume a partir de 1º de janeiro de 2019 ainda não anunciou as diretrizes que deverão nortear a sua futura política de comércio exterio...
Esperança, confiança e desenvolvimento
Em seu ótimo livro Sapiens, o historiador Yuval Noah Harari discute porque alguns impérios antigos cresceram e se desenvolveram, e outros ficaram est...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions