A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

15/02/2015 09:00

A teoria "U" e as múltiplas dimensões humanas

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

No Brasil, enfatizamos as teorias nem sempre aplicáveis à realidade, em vez de buscar sua adequada adaptação aos problemas reais. Há uma crise cujo motor é a insensibilização do ser humano que está perdendo a capacidade de ver claramente o presente e as tendências que estão formando o futuro. A acelerada e continuada circulação de informações iniciada com a televisão, e que evoluiu com as novas tecnologias de informação, está rompendo o equilíbrio que havia entre o ser humano aparente e o seu eu interior que está sendo sufocado, o que leva à perda da intuição e da visão clara.

Com a perda da intuição, a vida fica vazia, sem sentido. A capacidade de sonhar se esvai. Sem visão clara, o ser humano não consegue definir propósitos concretos. O contentamento e a serenidade deixam de surgir espontaneamente no inquieto raciocínio estimulado 24 horas ao dia. Isso gera a crise, pois a vida perde a sua finalidade maior diante da sintonização voltada prioritariamente para os resultados financeiros e para a satisfação imediata.

Precisamos olhar para o real e aprender com ele, entender o que está se passando; movimentar o corpo e a mente, dando asas à intuição que ficou algemada aos esquemas de rígidas teorias. Se quisermos formar cientistas inovadores e criativos, com os pés no chão, e não nas fantasias teóricas, temos de olhar primeiro para a natureza e aprender com ela. Olhar para o presente e ver que futuro estamos gerando para nós mesmos.

Indiretamente, Otto Scharmer, economista norte-americano e professor no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), propõe isso em seu livro Teoria U. Trata-se de uma teoria inovadora que quer olhar o ser humano em suas múltiplas dimensões, na busca por uma tecnologia social de mudança transformadora, para ajudar os líderes a enfrentar os desafios decorrentes de um futuro cada vez mais complexo e imprevisível. Scharmer reconhece duas fontes diferentes de aprendizagem: aprender com as experiências passadas, e ‘aprender com o futuro tal como ele emerge’, que significa como o futuro se manifesta para nós. O ‘Modelo U’ propõe que sejam abertas as mentes, as emoções e a vontade para chegarmos aos momentos de descoberta e de compreensão mútua. Consideramos isso um importante passo para redespertar a intuição utilizando-a para uma visão abrangente da realidade.

Segundo Scharmer, a atual crise global é consequência dos três principais desníveis. O primeiro deles é questão ecológica; o segundo, refere-se à questão social e econômica, que pode ser exemplificado pela pobreza e desigualdade; e o terceiro centra-se na relação cultural e espiritual, entre o eu atual e o eu emergente, ou seja, a separação entre o que faço no meu ambiente profissional e o meu propósito de vida. Para o economista, esses desníveis levam à exaustão, depressão e até suicídio, e sugere que reinventemos o conceito da sustentabilidade, levando em consideração essas três dimensões.

Não será utilizando apenas o raciocínio analítico que alcançaremos essa sustentabilidade; antes disso temos de colocar a intuição em movimento para que o cérebro e a intuição desenvolvam um trabalho conjunto de qualidade efetivamente humana.

Em resumo, a Teoria U, com foco nos negócios, “observa a liderança e as habilidades sociais de um ponto de vista profundo, que não só leva em conta o que fazem os líderes e como o fazem, mas que enfoca algo que não tinha sido contemplado pelos teóricos: o lugar de onde atuam e sua disposição interior.” Sem dúvida, esse modelo poderá contribuir para movimentar a adormecida intuição, por exigir o esforço para a compreensão do que está ocorrendo efetivamente em consequência das nossas decisões visando projetar um futuro melhor.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions