A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Junho de 2018

14/05/2017 11:16

Admitem-se mães

Por Marcelo Nóbrega (*)

Debater a igualdade de gêneros está em voga. Mas ainda há muito a ser conquistado. No ambiente corporativo ainda se busca a isonomia salarial entre homens e mulheres e a presença delas em cargos decisórios é baixa. O Índice Global de Desigualdade de Gênero, apresentado no Fórum Econômico Mundial do ano passado, mostra que serão necessários 95 anos para que mulheres e homens atinjam situação de plena igualdade no Brasil.

Podemos escolher entre manter esse ritmo e cumprir a sina de usufruir de melhorias somente daqui a um século, ou acelerar o passo e garantir vitórias para as gerações que nos sucederão imediatamente. Como empresa socialmente responsável, escolhemos a segunda opção.

E uma das formas de fazer isso acontecer é dar segurança para que as mulheres sigam suas metas de planos de carreira – e isso inclui cuidar para que também possam exercer a maternidade de maneira plena, quando assim decidirem.

A licença-maternidade já não cumpre esse papel? Não. É inegável a importância desse período para que a mãe se recupere fisicamente e estabeleça vínculos afetivos com o bebê e para o desenvolvimento do recém-nascido, mas ainda podemos avançar.

Nosso Projeto Gestante, por exemplo, prevê também acompanhamento da funcionária por uma equipe médica nossa durante toda a gestação e nos meses seguintes. Além disso, os custos das despesas médicas com consultas e exames são 100% assumidos por nós (alguns planos de saúde empresariais preveem que uma parte, mesmo que mínima, seja paga pelo colaborador). Outros cuidados, como a alocação da gestante em atividades sem risco para o bebê, para funcionárias que trabalham nos restaurantes da rede, também são tomados.

Isso pode parecer óbvio, mas é resultado de um olhar mais atento da empresa em relação ao seu público interno, prioritariamente formado por jovens. Somos reconhecidamente a porta de entrada para o primeiro emprego e, com isso, a média de idade dos nossos colaboradores é baixa: 23 anos. Com um quadro de funcionários formado por mais de 50% de mulheres, registramos mais de 100 partos por mês.

Os resultados do Projeto Gestante são fabulosos: garante que as mães realizem mais que as oito consultas de pré-natal preconizadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e, consequentemente, reduz o número de bebês que necessitam de cuidados especiais pós-nascimento.

Os feedbacks que recebemos mostram que estamos no caminho certo. Não raro, as funcionárias dizem que o acompanhamento da nossa equipe médica da empresa gera conforto e segurança e, muitas vezes, é o único apoio que recebem durante toda a gestação. Mais do que fazer o básico, estamos fazendo algo que realmente fala com a nossa gente e reflete positivamente em toda a empresa. Por isso, aqui, todas as mães são bem-vindas!

(*) Marcelo Nóbrega é diretor de Recursos Humanos da Divisão Brasil da Arcos Dorados, franquia que administra a marca McDonald’s na América Latina

Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...
Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions