A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

10/07/2012 13:32

Afinal, o que é jornalismo hoje?

Por Gerson Luiz Martins (*)

Esta pergunta me fiz durante os debates do 13º Congresso de Jornalismo Digital de Huesca, na Espanha, realizado nos dias 15 e 16 de março ultimo. A crise econômica que perpassa toda Europa, em especial a Espanha, a crise que perpassa a profissão jornalista em todo mundo, as transformações do fazer jornalístico incrementado pelas tecnologias da comunicação e da informação e as características do mercado de trabalho para os focas, ou seja, jornalistas recém-formados que, há muitos anos, tem, nas assessorias de imprensa as maiores e mais amplas oportunidades de trabalho; tudo isso obriga aos jornalistas e, principalmente, aos professores de jornalismo a fazer este questionamento.

Muitos, de forma inconsequente, afirmam que hoje o jornalismo é praticado por qualquer pessoa. Novamente me reporto a uma afirmação publicada nesta coluna. Uma coisa é transmitir a informação ou transmitir informações, outra coisa é produzir informação. O jornalista profissional, qualificado em curso superior de jornalismo PRODUZ informação. Este profissional pesquisa dados, compara estatísticas, checa informações, analisa repercussões, avalia fatos, capta acontecimentos e edita tudo isso para o leitor, o consumidor de notícias tenha informações mais claras e objetivas ao seu dispor. Isso é fazer jornalismo e não simplesmente pegar uma informação aqui e retransmitir, ou transmitir, ali. Este processo, de mera transmissão, é o que muitos fazem diariamente nas redes sociais. Ou seja, pode ser "alimento" para o jornalismo, mas não é jornalismo. E que isto fique muito claro.

Mesmo assim, qual a face, o perfil do jornalismo atualmente? A atividade jornalística hoje está permeada por dezenas, talvez centenas de características, propriedades que confundem o entendimento de muitos profissionais consagrados, e muito mais dos "focas". Há um saudosismo do jornalismo de rua, conforme mencionado em artigo anterior nesta coluna, que, com papel e caneta, se escreviam grandes reportagens. O desenvolvimento tecnológico atual permeia, se queira ou não, a produção jornalistica. É impossível deixar de lado todos os recursos, pelo menos os principais e a maioria, que enriquecem o texto jornalístico atual. O processo de produção industrial do jornalismo obriga os profissionais a dominarem esse contexto tecnológico, sob pena de serem excluídos deste universo.

Permeado por tantas propriedades, complexo devido a inúmeras possibilidades, incorporado recursos como áudio, vídeo, hipertexto, memória, instantaneidade, atualidade, interatividade e personalização fazem do jornalismo algo novo, diferente. E é importante ressalvar, não menos, mas muito mais importante para as sociedades democráticas atuais.

Com tudo isso, estará o profissional do jornalismo habilitado a desenvolver esta atividade, a sua atividade? No processo de formação profissional do jornalismo nas universidades, muitas vezes editores, diretores de empresas de mídia reclamam, e isso é contumaz e antigo, que muitos jornalistas “focas” não dominam a língua portuguesa! No caso do Brasil, isso é fato. O problema começa na precária educação básica, continua no ensino médio e o ensino superior, inúmeras vezes, se sente impotente para resolver o problema. Entretanto a formação superior em jornalismo não é qualquer curso, se trata de uma formação que o uso do idioma português é condição de trabalho. Neste caso, professores, dirigentes, coordenadores não podem compactuar com uma inadequada capacidade de domínio da gramática portuguesa. Se verifica, inúmeras vezes, professores que “mandam prá frente” alunos sem estas condições elementares. E, com razão, as empresas jornalísticas vão reclamar.

Outro ponto de tensão no jornalismo é a fronteira entre a produção da notícia como bem social e a difusão de informações de caráter privado. Ou seja, é tarefa do jornalismo colher a informação no meio social, tratar esta informação, ou seja, produzir e devolver à sociedade para que esta conheça os fatos que decorrem dos elementos políticos, econômicos, históricos e sócio-geográficos. De outro lado, há uma produção de informação de caráter privado, embora seja de interesse social, mas o interesse primeiro tem origem privada. Estudantes de jornalismo optam pela realização desta formação por motivações socio-democráticas em primeiro lugar. Se lamentam que, depois de anos de estudos, somente encontram oportunidades de trabalho na difusão privada da informação, fato atenuado pelos pseudos-estágios realizados nos últimos anos do curso.

A difusão privada de informação também é jornalismo? Entenda-se aqui difusão como sinônimo de produção. Das milhares de estruturas de difusão privada da informação, quantas relatam fatos, difundem informação contrária ou não exatamente de acordo com os interesses de suas corporações?

Eis aí o quadro complexo em que se encontra o fazer jornalístico nestes tempos. De qualquer forma, jornalismo é sinônimo de democracia e justiça, em qualquer lugar.

(*)Jornalista, pesquisador do CIBERJOR e PPGCOM/UFMS

www.gersonmartins.jor.br

Escola: o lugar da diversidade, da construção de alteridade
A discussão sobre diversidade nunca esteve tão atual, inclusive é até pauta da novela da Rede Globo, “Força do Querer”, trazendo fortemente a dor, a ...
As empresas podem economizar com contas-correntes em cooperativas de crédito
Ao abrir uma empresa é necessário lembrar que alguns pontos são fundamentais para que tudo aconteça conforme planejado. Por isso, um dos fatores mais...
Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions