A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

30/04/2014 14:47

Afinal, o que precisamos saber a respeito do Marco Civil da Internet?

Por Daniel Feitosa Naruto (*)

Nos últimos dias, o Projeto de Lei n.º 2.126/2011, também conhecido como Marco Civil da Internet, tornou-se pauta dos mais diversos jornais e noticiários.

A aprovação de seu texto pela Câmara dos Deputados e a posterior aquiescência em tempo recorde, sem alterações, pelo Senado Federal, seguida da quase imediata sanção, mesmo que simbólica, da Presidente da República durante a NETMundial, evento realizado em São Paulo que reúne representantes de mais de 90 países, por certo, chamaram a atenção da população.
Acontece que, em razão de tamanha repercussão, diversos questionamentos tomaram os pensamentos da grande maioria do povo brasileiro. O que é o Marco Civil da Internet? Para que serve? O que alterará no meu cotidiano?

Pois bem, o então Projeto de Lei n.º 2.126/2011 é o primeiro grande passo para a regularização do uso da internet no Brasil. Para muitos é considerada a constituição que orienta o uso da rede no país, daí porque recebeu a alcunha de Marco Civil da Internet.

Neste projeto de lei, foram estabelecidos os princípios, as garantias, os direitos e deveres para internautas e provedores na web.

Além disso, disciplina o uso da internet no Brasil, o qual, de acordo com o projeto, deve pautar-se na liberdade de expressão, na proteção à privacidade, na proteção aos dados pessoais, na livre iniciativa e concorrência, entre outros.

O Marco Civil da Internet visa, também, universalizar o acesso à internet. Desta forma, pretende-se proporcionar a todos o acesso à informação e ao conhecimento, vez que, ultimamente, a internet é a ferramenta mais rápida e completa para tanto.

Mas afinal, o que precisamos efetivamente saber a respeito do Marco Civil da Internet? O que ele alterará em nosso dia a dia?

Para responder tal insuperável questionamento, pinçamos três pontos importantes, quais sejam: a neutralidade da rede; a privacidade e o armazenamento de dados; a responsabilidade pelo conteúdo publicado e sua eventual retirada.

Quanto à neutralidade da rede, tem-se que os provedores de internet deverão tratar todo o conteúdo que trafega pela internet de forma igualitária, ou seja, não poderão ofertar conexões diferenciadas, como por exemplo, o acesso somente às redes sociais, e-mails ou vídeos. Isso evitará que os provedores beneficiem alguns internautas e dificultem o acesso a serviços que exigem grande fatia da conexão, como streaming de vídeos.

Em relação à privacidade e ao armazenamento de dados, o Marco Civil da Internet garante o sigilo do fluxo de comunicações via internet e também das conversas armazenadas, bem como a inviolabilidade destas. Além da privacidade, tal medida impedirá o marketing dirigido, ou seja, que o conteúdo das informações trocadas pelos usuários na rede seja utilizado para a formação de bases de clientes para fins publicitários.

No entanto, o Marco Civil determina que os provedores devam guardar os IPs (identificação do dispositivo que acessou a internet) e horários de conexões de seus usuários pelo período de um ano. Determina, também, que os provedores de aplicações e serviços, como o Google e o Facebook, têm obrigação de guardar todos os registros de acesso que foram feitos naquele serviço. Tudo isso deverá ser feito em ambiente controlado e de segurança. Entretanto, o acesso a tais registros deverá, obrigatoriamente, ser precedida de autorização judicial.

Por fim, no tocante a responsabilidade pelo conteúdo publicado e sua eventual retirada, o Marco Civil, em primeiro contato, isenta os provedores, sites e aplicativos quanto ao conteúdo publicado por seus usuários, a menos que estes não respeitem eventual ordem judicial visando a retirada de determinado conteúdo. Neste caso, havendo tal desobediência, aqueles, também, poderão ser responsabilizados civilmente.

Neste interim, importante registrar que o Marco Civil trará um tratamento diferenciado quando da divulgação não autorizada de conteúdo sexual, também chamada de “vingança pornô”. Para tais casos, bastará que o ofendido ou seu representante envie uma notificação ao provedor de aplicações, o qual deverá efetuar a retirada imediata do conteúdo ofensivo.

Como visto, o Marco Civil da Internet, ao contrário do que muito se especula, tem o cunho de trazer mais segurança e privacidade aos internautas, sem, contudo, esquecer da liberdade de expressão, afastando (para muitos, de forma velada) a censura que muito amedronta aqueles que produzem conteúdo para a internet.

O Projeto de Lei n.º 2.126,/2001, ou seja, o Marco Civil da Internet seguirá agora para a efetiva sanção da Presidente da República, vez que o ato realizado no dia 23 de abril de 2014 foi simbólico, já que o projeto não chegou ao Palácio do Planalto. De acordo com a Constituição Federal, a Presidência tem até 15 dias úteis para sancionar o projeto de lei.

(*) Daniel Feitosa Naruto, advogado, escritório Mascarenhas Barbosa & Advogados Associados - Campo Grande (MS)
email: paulo.diniz@mascarenhasbarbosa.com.br

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions