A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

29/03/2018 14:01

As fintechs vieram para tomar o lugar dos bancos?

Por Alexandre Góes (*)

Há poucos anos, pagar contas e fazer transferências diretamente pelo celular eram consideradas tarefas moderníssimas. Na verdade, quando tudo isso começou, mal imaginávamos o quanto as atividades financeiras poderiam se tornar tecnológicas, rápidas e, ao mesmo tempo, extremamente seguras.

O cenário econômico atual tem sido marcado por constantes transformações e evoluções digitais - e essas mudanças surgem justamente para atender à necessidade cotidiana de praticidade. Com a agenda cada vez mais cheia, ninguém mais tem tempo a perder, e infelizmente até os serviços mais básicos de uma agência bancária tornam-se ineficientes em algumas situações, por serem repletos de burocracia.

A agilidade nos processos financeiros é uma necessidade que não se restringe à pessoa física, mas também facilita (e muito) a vida das empresas. Em algumas situações, resolver uma questão financeira rapidamente pode ser a chave para a expansão de um negócio ou até a sua sobrevivência no mercado.

Diante da carência de agilidade nas operações bancárias, as fintechs têm caído no gosto dos consumidores. Essas empresas “financeiras e tecnológicas” são altamente eficientes por trabalharem com sistemas móveis, digitais, on-line e práticos, capazes de entregar resultados altamente satisfatórios – combinação que atrai cada vez mais clientes. Os números comprovam o aumento dessa adesão: segundo dados da FintechLab, entidade que monitora o setor, entre janeiro e novembro do ano passado, o número de fintechs cresceu 36% só no Brasil.

Ao oferecerem produtos e serviços inovadores a consumidores e empreendedores, as fintechs trazem reflexos diretos e muito positivos ao mercado. Algumas delas, por exemplo, já permitem que o empresário, a partir de um simples celular, antecipe os recebíveis e dê fôlego ao seu negócio. As novidades envolvem até as operações “B2B”, e as fintechs chegam a oferecer aos empresários a possibilidade de parcelarem suas vendas através de boleto e com recebimento do valor à vista.

E mais: algumas fintechs já atuam no ramo de subadquirência, com maquininhas de cartão próprias, e também garantem que as empresas realizem operações como DOC e TED por meio de uma conta de pagamento digital.

Todas essas operações são realizadas após uma rápida análise do perfil da empresa que busca por crédito, sem nenhuma burocracia. Hoje, as fintechs têm cumprido cada vez mais funções que, há pouco tempo, eram exclusivamente desempenhadas pelos bancos. Para quem precisa realizar transações financeiras, o desejo é que essa tendência permaneça e continue a trazer inovações por muitos anos.

(*) Alexandre Góes é diretor de Meios de Pagamentos da TrustHub, fintech especializada na antecipação de recebíveis a PMEs.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions