A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

14/11/2015 14:00

Bon vivant insensível

Por Gabriel Bocorny Guidotti (*)

Em meio à crise de refugiados na Síria, é natural que as expectativas por soluções se concentrem em países de maior poderio econômico. Nos Estados Unidos, o tema é recorrente nos debates dos pré-candidatos do Partido Republicano à presidência. Donald Trump, o ricaço excêntrico, está entre eles. Recentemente, Trump polemizou ao comentar sobre a situação de cidadãos sírios que conseguiram refúgio em terras norte-americanas. “Se eu ganhar, eles vão voltar (para a Síria)”, afirmou.

A reação de entidades defensoras dos direitos humanos foi instantânea na imprensa e nas redes sociais. Trump sempre deixou clara sua posição contrária ao acolhimento de refugiados, algo que impulsionou diversas brincadeiras em programas de talk show americanos. O fulgor na defesa de seus pensamentos, entretanto, pode ter sido fatal nas eleições do partido. As mais recentes pesquisas mostram que o magnata, antes líder absoluto, agoniza nas intenções de voto, perdendo para o médico americano Ben Carson.

A crise dos refugiados é humanitária, não política. Nos Estados Unidos, há forças que lutam pela aceitação dos migrantes em solo nacional, a exemplo da colonização que aconteceu no país séculos atrás. A bem da verdade, ninguém quer virar salvador de todos os refugiados do mundo. Fronteiras estão sendo fechadas na Europa. Afinal, de quem é a responsabilidade? A comunidade internacional pode se eximir dos motivos que ensejaram o êxodo na Síria?

Não se trata da vida de um único garotinho encontrado morto nas praias da Turquia. O problema é global, incitado pelo potencial bélico de grupos cujo único propósito é afrontar a dignidade dos outros. De suas mansões e cassinos, Donald Trump parece estar longe demais da realidade cruel vivida pelos refugiados da Síria. Ele sempre foi um homem rico, nunca precisou lutar por nada. Lutar por sobrevivência, tampouco.

A imagem do corpo do pequeno Aylan Kurdi não pode ser esquecida. Relembrou os piores horrores da Segunda Guerra Mundial. Note, os horrores continuam e tendem a continuar caso os Estados Unidos eleja um bon vivant insensível. Quantos mais precisarão morrer até que possamos obter um pouco de tranquilidade e paz? Nossa espécie é uma só. Ajudar o outro constituiu responsabilidade de cada ser humano.

(*) Gabriel Bocorny Guidotti, bacharel em Direito e estudante de Jornalismo em Porto Alegre (RS)

 

 

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions