A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

30/04/2014 10:29

Brucelose bovina: desafios e perspectivas

Por Grácia Maria Soares Rosinha (*)

A brucelose é uma zoonose presente no mundo todo, especialmente nas regiões de clima tropical e subtropical, com exceção de alguns poucos países desenvolvidos que conseguiram erradicá-la ou reduzir as taxas de prevalência. Nos países em desenvolvimento ainda trabalha-se para alcançar esta meta. É uma doença infecciosa crônica causada por bactérias do gênero Brucella que infectam várias espécies de animais domésticos e silvestres, além de humanos.

A bactéria Brucella abortus infecta, principalmente, bovinos de corte e leite, determinando elevados prejuízos. As perdas econômicas estão relacionadas a abortos, baixos índices reprodutivos, ao aumento no intervalo entre partos, à diminuição na produção de leite e morte de bezerros, queda da produtividade, além de gerar barreiras internacionais ao comércio de produtos de origem animal e perdas na indústria, com a condenação da carne e do leite e desvalorização desses produtos.

Estudos realizados em 2013 demonstraram que o prejuízo total da brucelose no Brasil foi estimado em U$ 448 milhões que equivale, hoje, a cerca de R$ 1,005 bilhão. A cada 1% de variação na prevalência, estima-se o incremento no prejuízo de U$ 77,85 milhões ou R$ 174,70 milhões no custo da brucelose bovina no Brasil. As perdas por fêmea infectada, com idade superior a 24 meses, foram estimadas em R$ 473,50 e R$ 255,20 em rebanhos de leite e de corte, respectivamente.

A brucelose bovina, por tratar-se de uma zoonose, acomete o homem determinando na maioria dos casos uma enfermidade crônica e de difícil diagnóstico. Mais de 500 mil casos humanos de brucelose são relatados no mundo a cada ano, embora este número possa estar subestimado. Essa situação alarmante pode ser atribuída ao quadro clínico não específico da brucelose humana, poucas informações sobre a doença em países não endêmicos e deficiências em laboratórios de diagnóstico.

O número de casos em humanos está diretamente relacionado com o número de animais infectados, principalmente bovinos, dentro de uma definida região. Como exemplo, em um estudo conduzido em humanos de uma comunidade urbana pobre no Nordeste do Brasil, 13% dos indivíduos estavam positivos para Brucella abortus (que infecta preferencialmente bovinos) contra 4,6% positivos para Brucella canis (que infecta preferencialmente cães).

A exposição máxima da doença em humanos é observada entre médicos veterinários, técnicos de inseminação, zootecnistas, produtores rurais e funcionários de empresas de processamento de carne. As vias mais frequentes de infeção são mucosas, vias aéreas, a pele lesionada das mãos durante o contato com placenta infectada, fetos abortados ou líquido amniótico, a execução de procedimentos ginecológicos em bovinos, além do consumo de leite e derivados não pasteurizados contaminados.

A prevalência de focos da brucelose bovina em propriedades pecuárias no Brasil varia de 0,32% a 41,5%. Embora aparentemente pequenos, esses índices por si só são muito expressivos e muito impactam nos diferentes elos e segmentos das cadeias produtivas das pecuárias de corte e de leite, da porteira à mesa. Mesmo porque nossos números nestas cadeias são de grande monta. Com o rebanho bovino de aproximadamente 212 milhões de cabeças, só para a produção de carne foram abatidos 34,4 milhões no ano de 2013.

Reconhecendo a brucelose como um importante problema de saúde animal e saúde pública, em 2001, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) instituiu o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT), definindo estratégias para o controle da doença no País. O programa tem o intuito de reduzir a prevalência e a incidência de novos focos dessas doenças e criar um número significativo de propriedades certificadas como livres ou monitoradas para a brucelose e a tuberculose, e desta forma reduzir o impacto destas zoonoses na saúde animal e humana.

Um aspecto importante do PNCEBT é o estímulo às pesquisas para o aprimoramento de técnicas de diagnóstico da brucelose, no estudo epidemiológico de cepas de campo e em pesquisas relacionadas às características de virulência, da patologia do agente, além de estudos que possam desenvolver vacinas de maior eficácia e que não provoquem interferências nos exames sorológicos.

Atualmente, as vacinas utilizadas para prevenção das infecções causadas por Brucella abortus em bovinos no Brasil, são a B19 e a RB51. Ambas podem ser patogênicas aos humanos, se cuidados especiais não forem tomados.

A vacina B19 é a mais utilizada em programas de controle da brucelose bovina, podendo ser utilizada em fêmeas de três a oito meses de idade. Protege cerca de 70% dos animais quando expostos ao tipo virulento da bactéria. É uma cepa lisa que pode causar aborto em animais prenhes e, principalmente, induzir a produção de anticorpos contra um dos seus componentes estruturais, a cadeia O do lipopolissacarídeo (LPS), o que pode interferir em testes sorológicos na diferenciação de animais vacinados daqueles naturalmente infectados.

A vacina RB51, é uma cepa rugosa, utilizada amplamente em países como Estados Unidos, Uruguai e Chile. No Brasil ela pode ser ministrada em fêmeas entre nove e 12 meses de idade que não tenham sido vacinadas com a B19. Esta vacina apesar de não interferir nos testes sorológicos, tem a desvantagem de ser resistente à rifampicina, um dos antibióticos usados no tratamento contra a brucelose humana.

Uma vacina ideal contra a brucelose deve apresentar as seguintes características: i) não provocar a doença em animais vacinados; ii) prevenir a infecção pela bactéria em animais de ambos os sexos; iii) prevenir aborto e esterilidade; iv) promover proteção contra a infecção por longo tempo com uma simples dose; v) não induzir a produção de anticorpos persistentes os quais interferem no diagnóstico de infecções a campo; vi) ser biologicamente estável; vii) não apresentar risco de reversão da virulência in vitro e in vivo; viii) não ser patogênica para humanos; e ix) ser facilmente produzida em grande escala e baixo custo.

Dentre as perspectivas em vacinologia para a brucelose, as pesquisas estão sendo direcionadas para vacinas de DNA, vacinas vivas atenuadas geneticamente e vacinas de subunidades. Esta última composta de proteínas naturais ou recombinantes da bactéria.

Grandes estão sendo os esforços das instituições de ciência e tecnologia do mundo todo na busca de uma nova vacina contra a brucelose em bovinos. O Brasil vem fazendo sua parte nesta corrida.

(*) Grácia Maria Soares Rosinha é pesquisadora da Embrapa Gado de Corte.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions