A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

14/03/2013 09:57

Chávez e Vaticano, entre meias-verdades

Por Ivo Lucchesi (*)

O ser humano, desde os primórdios da civilização, é um apaixonado pela verdade. É por tanto desejo de tê-la que a cultura, na sua luta em dominar os mistérios da natureza, fez surgirem a religião, a filosofia e a ciência. Nos três campos, a verdade foi perseguida tenazmente e muitas revelações vieram à tona. Desde cedo, porém, também foi percebido que nem tudo de descoberto poderia ser revelado, pois, ao lado dos três campos, se somaram a política, a economia e, em território marginal, a arte – sempre temida e, por isso, vigiada.

Do conceito grego de verdade (alethéia) ao conceito romano de veritas, deu-se acentuada mutação semântica e prática. Enquanto os gregos entendiam a verdade como “estado de sinceridade”, aberta, portanto, ao autoengano, os romanos associaram a verdade ao “estado de convencimento”, com base na eficácia argumentativa, ou seja, houve radical redefinição. O que era, para os gregos, patrimônio da subjetividade, para os romanos se tornou apropriação do poder. Assim, o Ocidente tem construído sua história.

Tempos de controle

O conhecimento se expandiu de tal ordem, bem como menor não foi o crescimento demográfico, que a verdade, progressivamente, foi sendo desgarrada da superfície para ser alocada em áreas restritas. Vale recordar uma afirmação de Umberto Eco, extraída da obra Interpretação e história:

O conhecimento secreto é o conhecimento profundo (...). Assim, a verdade passa a identificar-se com o que não é dito ou com o que é dito de forma obscura e deve ser compreendido além ou sob a superfície de um texto.

Sim, Umberto Eco está corretíssimo na sua sentença: a verdade migrou para a instância do “sigilo” que, curiosamente, é uma palavra derivada do mesmo radical de “signo”, além de formar “sigla”. O sigilo tem de ser descoberto e a sigla requer decifração. Consequentemente, a verdade é propriedade da “interpretação”. É nesse novo quadro, intensificado ao longo da modernidade, que chegamos à sociedade da informação e, nela, aos meios de comunicação de massa. A estes coube a missão da triagem e da filtragem, além, é claro, do controle da codificação e de mensagens cifradas.

Como ilustração e visibilidade prática a respeito dessas reflexões mais teóricas e abstratas, recorro a dois recentes acontecimentos: a morte do líder venezuelano e a inesperada renúncia do papa. Trata-se de duas histórias das quais a mídia só pode cobrir com meias-verdades. E o público, apaixonado pela verdade, se consola em receber “versões”. Desde a remoção de Chávez para Cuba, tanto a equipe médica quanto auxiliares diretos do presidente sabiam ser a reta final: o falecimento era questão de tempo. Tempo necessário para acertos políticos internos e criar nos “chavistas” a peregrinação do martírio do “herói”.

Tentando romper o sigilo com a chave da interpretação, posso arriscar em supor que, há meses, Chávez já não tinha vida consciente. Todavia, o poder constituído fez passar a imagem de que Chávez continuava dando as coordenadas governamentais, direto de seu leito hospitalar. Qual é a obviedade que a mídia (ao menos, a “grande imprensa”) ignorou? Conhecendo a personalidade carismática de Chávez, é de se supor que ele, sob domínio da consciência, não perderia a oportunidade de gravar pronunciamentos, mesmo curtos. Ele seria o primeiro a exigir da equipe médica a liberação. Assim, porém, não foi. Prorrogaram a vida vegetativa até o limite máximo. Será essa mais uma versão? Ao leitor, cabe a escolha.

Duas eleições

O outro acontecimento, ainda em curso, remete aos sigilosos interiores que as muralhas do Vaticano protegem. Jamais, saberemos o que, efetivamente, lá está ocorrendo. Segundo consta, no ritual do conclave (“conchave”) os cardeais vivem em absoluto regime de incomunicabilidade, mesmo em tempos de minúsculos celulares, smartphones, internet etc... Isolam-se para “falarem apenas com Deus” e, dele, receberem a orientação correta. Com o devido respeito a 1 bilhão e meio de fiéis, é um roteiro de novela. Vejamos: se cada cardeal votará naquele que ditar sua consciência, como explicar que “deus” dará orientações diferentes?

Já houve eleições decididas somente no terceiro escrutínio. Ora, se a orientação é divina, sempre a indicação dar-se-ia na primeira rodada de votos, não é? Ou, então, tem-se de deduzir que alguns (ou vários) cardeais desobedecem a escolha de “deus”. Estranho, não? Por que “a grande imprensa” e os entrevistadores de plantão não incluem essas indagações em suas matérias? Aguardemos os desfechos das duas eleições (VV): Venezuela e Vaticano, no regime consentido das meias-verdades...

(*) Ivo Lucchesi é ensaísta, articulista, doutor em Teoria Literária pela UFRJ, professor titular de Linguagem Impressa e Audiovisual da FACHA (RJ).

 

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions