A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

25/07/2015 09:56

Contratos de Gestão e Saúde Pública de qualidade

Por Ricardo Ayache (*)

O fundamento jurídico que embasa toda a política pública de saúde no Brasil, implementada através do SUS, está explicitada na Constituição de 1988, em seu artigo 196 que diz: “A saúde é direito de todos e dever do estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. A Constituição, assim, norteia toda a formulação e aplicação da política de saúde materializada no SUS.

A Assembleia Legislativa do MS aprovou recentemente projeto do governo estadual que autoriza a administração a celebrar contratos de gestão com organizações sociais para gestão de unidades de saúde. Polêmico, o assunto deve ser observado pela ótica da eficiência da gestão e, sobretudo, deve observar o previsto na Constituição, ou seja, a saúde é direito de todos e dever do estado.

Para uma eficiente observância do preceito constitucional, o Estado deve envidar todos os esforços possíveis para oferecer saúde de qualidade a toda a população. O Estado deve gerir suas unidades de saúde de forma a prover os serviços de forma universal. A valorização do funcionalismo público da área de saúde é outro ponto importante. Observando também esses pontos, a bancada de oposição apresentou emendas fundamentais sobre controle social e a garantia dos direitos do funcionalismo em caso de cessão.

É necessário ter em vista que a gestão direta dos equipamentos de saúde nem sempre é o caminho mais eficiente para se chegar ao objetivo de prover um atendimento eficaz nos estabelecimentos públicos de saúde. A gestão direta tem limitadores que, muitas vezes, prejudicam a oferta de um serviço de qualidade à população. Por exemplo, a Lei de Responsabilidade Fiscal impede à gestão exceder um dado limite de gasto com pessoal. Assim os contratos de gestão com as OS´s se apresentam como saída legítima para resolver a carência de profissionais concursados. Outro fator limitante da gestão é a legislação que estabelece um teto para o salário de funcionários do executivo. A oferta salarial no mercado privado é, em certos casos, mais atraente do que aquela oferecida pelo setor público. As OS´s não têm essa limitação, podendo contratar os quadros mais apropriados para cargos de direção das unidades, por exemplo.

Afastado o viés ideológico da discussão, devemos atentar para o que realmente o Estado deve fazer para evitar a apropriação do público pelo privado. Aqui vão algumas dessas ações: a contratação das OS´s deve obedecer a rigorosos critérios nos processos seletivos; os contratos devem ser monitorados pelos conselhos de saúde, com efetiva participação da população e controle social. O Estado deve, inclusive, estabelecer indicadores de resultado para pagamento de incentivos para a obtenção de níveis de produção e de qualidade que façam ampliar a oferta e a qualidade dos serviços. Assim haverá maximização dos ganhos de eficiência para o poder público e, sobretudo, para as pessoas que dependem do sistema público de saúde. Sistema que não deverá deixa de ser público e tampouco terceirizado, será sempre público e terá como meta o atendimento do preceito constitucional.

O que se espera, agora que aprovado o projeto, é que o Estado seja rigoroso nos processos seletivos e muito transparente na efetivação dos contratos de gestão para que a participação e o controle social sejam garantidos nessa modalidade de prestação dos serviços de saúde.

(*) Ricardo Ayache, presidente da CASSEMS e do Instituto Diálogo.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions