A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

02/11/2011 12:13

Cuba, a corrida e as medalhas

Por Dirceu Cardoso Gonçalves

Em dez das 16 edições dos Jogos Panamericanos já realizadas, Cuba classificou-se em segundo lugar. No ano de 1991, quando sediou os jogos, ficou em primeiro lugar, com 10 medalhas acima dos Estados Unidos, vencedor de 14 edições. Anteriormente, só a Argentina, em 1951, quando abrigou a primeira realização dos jogos, havia conseguido também o maior número de medalhas. Como é que Cuba, um pequeno país, de apenas 11 milhões habitantes, consegue tão expressivas pontuações, a ponto de bater os EUA e outros países numérica e economicamente mais fortes?

Verificando-se o extraordinário rendimento cubano nos jogos em Guadalajara, encontramos atletismo, luta olímpica, judô, canoagem, boxe e remo como os responsáveis pela maioria das medalhas conquistadas. São modalidades individuais ou coletivas de baixo investimento. O Brasil, que já investe em esportes de alto custo, teria um salto de qualidade se também desse força aos esportes básicos, que exigem apenas conhecimento dos fundamentos e não carecem de canchas e equipamentos sofisticados e, muito menos, de técnicos e profissionais de apoio pagos a peso de ouro.

Já que, nas últimas décadas, virou moda brasileiros buscarem exemplos cubanos, poderiam os encarregados do desporto nacional e os governos dar mais atenção ao atletismo. Começar motivando e incentivando a prática da corrida nas aulas de educação física, o que transformaria as escolas públicas em potencial celeiro de atletas. Também poderiam apoiar escolas particulares, empresas e a própria comunidade a cultivarem o hábito da caminhada e da corrida entre seus alunos, colaboradores e membros. Essa simples mudança de postura pode resultar no incentivo e formação de atletas para as demais modalidades, pois todas elas têm o preparo físico como base. Durante a corrida, os professores, monitores ou até olheiros de outros esportes podem buscar os praticantes que mais demonstrem jeito para o futebol, basquete, ciclismo, natação, etc. Tudo a baixíssimo custo e, ainda, com as vantagens de saúde – perda de peso, redução de colesterol e outras – proporcionadas pela prática regular do exercício. Solonei Rocha da Silva, que há dois anos era lixeiro em Penápolis (SP) e acaba de tornar-se campeão panamericano de maratona, é exemplo disso.

Historicamente, somos o “país do futebol”. Temos importantes bolsões da prática de basquete, tênis, vôlei, natação, atletismo e outros esportes. Mas, infelizmente, vivemos mais o lado mercantil do que o esporte. Jovens são levados a praticar o futebol na ilusão de se profissionalizar e o mesmo ocorre em outros esportes já profissionalizados ou de amadorismo marrom. Nada contra aqueles que conseguem ganhar dinheiro com o esporte. Mas seria infinitamente mais interessante se o esporte pudesse estar incutido nas pessoas como um direito e um estilo de vida e bem-estar.

Agora, que o Ministério dos Esportes passará por um reordenamento, seria muito interessante que, em vez de polpudas verbas para ONGs dedicadas aos esportes milionários, fossem garantidos recursos mínimos para a manutenção dos times de bairros e os insumos básicos para os interessados em praticar o esporte dentro da tradicional proposta da “mente sã em corpo são”. Isso poderá criar um clima positivo e até facilitar a participação de empresas e outras fontes na montagem de campeonatos e disputas locais ou regionais. Assim, o esporte voltará a ser prática e direito do povo, não apenas de milionários esquemas profissionais.

Dirceu Cardoso Gonçalves é tenente da Polícia Militar e dirigente da ASPOMIL (Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br

Inteligência espiritual
Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias ...
A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions