A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

10/05/2015 09:03

Dia das Mães e a verdadeira pátria educadora

Por Reginaldo de Souza Silva e Leila Pio Mororó (*)

Recentemente fomos surpreendidos com a notícia de que o primeiro colocado nos exames de seleção do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN, foi o jovem Thompsom Vitor. Filho de catadores de lixo. Sua primeira equipe de professores foi constituída por sua mãe, Rosângela Marinho, e por seu pai, pessoas advindas da simplicidade e da falta, como grande parte das famílias brasileiras, mas que intuíram que, para a formação de um cidadão, a educação escolar não poderia ser ignorada.

Thompson estudou em instalações precárias e com parcos recursos, originados do lixo, mas cujo valor, a mãe pobre soube reconhecer: _ "Eu trazia os livros que os ricos jogavam no lixo e trazia pra casa. Eu dava pra eles aqueles livros bonitinhos e colocava eles pra estudarem. Aí eu incentivei eles a gostarem de livro", revelou Rosângela ao jornalista que a entrevistou.

Mesmo com todo incentivo, ele ainda precisou lutar muito para garantir o seu direito ao tempo de estudo. Pressionados pela pobreza, por vezes precisou convencer aos pais de que o seu limite em ajudar a família a se sustentar estava em não prejudicar os estudos. E é provável que sua luta não tenha terminado.

O ensino superior no Brasil é caro. Mesmo que ele se dê em instituições públicas e gratuitas, os mais pobres precisam, desde cedo, aprender as estratégias da sobrevivência no meio acadêmico.

Os dados de 2014 sobre o ensino superior no Brasil, por exemplo, indicam a matricula de 7,3 milhões de alunos, destes 5,3 milhões (73,5%) estão em instituições privadas. O restante (1,9 milhão) se divide entre instituições federais (1,1 milhão), estaduais (604 mil) e municipais (190 mil). No entanto, mesmo com a crescente matrícula, há uma diminuição no número de concluintes. O que nos leva a questionar a respeito das condições de estudo e permanência dadas às classes trabalhadoras que chegam a esse nível de ensino.

De qualquer forma, a parte mais difícil para Thompson foi superada. A pobreza, que poderia tê-lo mantido no analfabetismo ou com uma baixa escolarização, não foi um empecilho para que sua mãe, durante a fase mais delicada da vida, a infância, deixasse de garantir a seus filhos algum lugar em sua pátria (terra natal ou adotiva ligada a uma pessoa por vínculos afetivos, jurídicos ou históricos).

Em tempo de tentativas de Golpe de Estado, espancamento, tiros e humilhações aos professore(a)s que estão em luta por melhores condições de trabalho e salário, fica, portanto, a lição de Rosângela Marinho para os governadores de estados, para a presidente Dilma e para todos nós: ser uma pátria educadora é algo que ultrapassa o que se faz na escola.

A educação pode até começar em casa, nos exemplos dos pais, das MÃES, mas precisa transcender para a esfera pública. Implica experimentar, no cotidiano, relações de civilidade, respeito e justiça, atingindo, assim, a dimensão política. E ela só se efetiva quando há engajamento dos cidadãos em um projeto nacional; quando se pode contar com o compromisso e a ética nos governantes no cumprimento desse projeto; quando há transparência no uso dos recursos públicos. Como já dizia o velho ditado indígena, é preciso uma aldeia para se educar uma criança.

Exceção que confirma a regra (de que o acesso a educação superior no Brasil ainda é para a classe média e alta), a história de Thompson e de sua mãe nos faz refletir sobre o papel da família e do Estado na formação da juventude e no verdadeiro significado de uma Pátria Educadora.

Neste dia das mães, a nossa homenagem a Rosângela Marinho e a todas as MÃES deste país que, apesar de todas as dificuldades, ainda buscam garantir a verdadeira Pátria Educadora para os seus filhos. FELIZ DIA DAS MÃES!

(*) Prof. Dr. Reginaldo de Souza Silva e Profa. Dra. Leila Pio Mororó, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions