A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

21/07/2014 14:30

Educação: Propostas e Reflexões

Por Rafael Rossi (*)

Muito se tem falado e discutido nos últimos anos sobre o papel e interferência da Educação no desenvolvimento de um país e na consolidação da democracia e da cidadania. Desde agentes que defendem a interferência da iniciativa privada na educação formal pública até movimentos de educação popular que defendem autonomia de gestão e organização pedagógica, uma ampla gama de sujeitos, coletivos, entidades e corporações vêm ratificando o peso estratégico da dimensão educacional nos limiares de uma “nação forte”.

Entretanto, apesar da relevância e profundidade que este debate exige é de extrema premência que repensemos toda rede de influências e vinculações que embasam as falas, discursos e práticas dessa diversidade de agentes. Afinal de contas, em tempos nossos de ofensivas ideológicas de globalização enquanto fábula (como nos explicava o geógrafo Milton Santos) fica cada vez mais nítida a constatação de que não basta somente saber ler e escrever em língua inglesa. Porém, não basta mais pra quê?

O mercado de trabalho cada vez mais competitivo e desigual exige um verdadeiro mar de informações, habilidades e “competências” que da mesma forma não se encontram disponíveis perante todos na sociedade. Apesar da ampla democratização da escola pública, advinda das pressões populares da década de 1980, o Brasil ainda é um país de uma enorme desigualdade entre oportunidades para crianças, jovens e adultos no quesito educacional em todas as suas modalidades.

Predominantemente podemos perceber duas vertentes bem difundidas e antagonicamente conflitivas sobre o rumo e a orientação desse panorama. Há os que defendem a parceria público-privada como mecanismo de ascensão social através de diversas e variadas iniciativas de garantir uma “educação profissional”, que garanta o “empreendedorismo” e estimule a formação para o trabalho e as competições das mais variadas ordens. Ao mesmo tempo, temos um esforço de pesquisadores, trabalhadores em geral e professores em exercício de todas as partes do país, defendendo o lema “Educação: direito nosso e dever do Estado!”. Nesta última vertente, defende-se o tratamento público da educação pública, com uma autonomia das escolas e dos educadores em construírem as “pontes” necessárias para o desempenho e a formação humana dos jovens e das crianças, se baseando assim numa formação humana, coletiva e pedagógica não com vistas unicamente ao mercado de trabalho, mas sim com a solidariedade, com a preocupação ambiental e com a apropriação dos conhecimentos artísticos, filosóficos, culturais e científicos acumulados ao longo da História.

Muitas vezes essas duas vertentes não estão claras em nosso dia-a-dia. Contudo é preciso estar atentos para a formação dos professores, os materiais didáticos utilizados, a proposta político e pedagógica de nossas escolas, enfim, afirmar somente que a educação é importante pode até ser um caminho interessante, mas é preciso questionar: Importante de que modo e para quem? Até quando continuaremos aceitando como “normal” filhos da classe trabalhadora serem direcionados para cursos técnicos enquanto uma minoria ainda desfruta da universidade pública e dos cursos tradicionais como direito, medicina, arquitetura, engenharia etc?

Lutar pela educação é uma tarefa muito grande, pois envolve uma série de outras articulações e direitos igualmente necessários em serem debatidos como o direito à habitação, ao trabalho, à saúde... Educação não deve ser sinônimo de “adestramento” mesmo que isso seja muito bem disfarçado. Escolas devem ser, como nos lembra Rubem Alves, lugares para proporcionar o voo e não gaiolas, pois "há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas. Escolas que são gaiolas existem para pássaros desaprenderem a arte do voo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle, deixaram de ser pássaros porque a essência dos pássaros é o voo".

(*) Rafael Rossi, docente do curso de Licenciatura em Educação do Campo na UFMS em Campo Grande – MS.
E-mail: r.rossi@ufms.br

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions