A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

26/05/2015 13:03

Empreendedorismo no Brasil: a força está nos pequenos negócios

Por Glauber Halt (*)

O empreendedorismo tem ganhado notoriedade no mundo dos negócios. Muito em função das inovações tecnológicas (tecnologia e processos), globalização e principalmente do aumento da competitividade, seus fundamentos e aplicabilidade estão sendo direcionados, principalmente, para as microempresas e empresas de pequeno porte no Brasil, consideradas a “base” da economia brasileira.

Para se ter uma ideia, os micro e pequenos negócios somam um número expressivo: aproximadamente 99% dos estabelecimentos empresariais existentes no país.

De acordo com a Taxa de Atividade Empreendedora (TEA), o Brasil ocupa o sétimo lugar entre os países que possuem a maior quantidade de empreendedores no mundo. Em números absolutos, essa taxa significa aproximadamente 10 milhões de empreendedores.

Vale ressaltar ainda, algumas características em torno do estímulo que levam as pessoas a empreender. Em relação à motivação para empreender no Brasil, esse não é um fator primordial quanto a dez anos atrás. Para dar certo ou pelo menos aumentar a expectativa de vida do negócio o empreendedor tem que estudar e conhecer o negócio. Eu costumo falar que para dar certo precisa de 20% de paixão e 80% de transpiração.

Essas estatísticas demonstram a atual estrutura econômica do Brasil em torno da rigidez do mercado de trabalho, ou seja, as ofertas de trabalho insuficientes e seletivas acabam favorecendo a migração do empregado para a condição de “dono do próprio negócio”, principalmente, estimulado pela necessidade e oportunidade.

Entretanto, apesar dessa migração acontecer de maneira progressiva, a adoção de estratégias administrativas de negócios tem se mostrado um dos grandes pontos críticos para o fortalecimento das microempresas e empresas de pequeno porte, especificamente os que estão iniciando sua atividade empresarial, cujas debilidades gerenciais e dificuldades de acesso a mercados são agravados pela pouca ou nenhuma experiência como gestor da parte dos empreendedores.

Com isso, é necessário que políticas públicas de apoio às microempresas e empresas de pequeno porte estimulem ainda mais o empreendedorismo e a profissionalização, de forma que se crie um ambiente mais favorável e que os empresários possam ter condições de aperfeiçoamento técnico-gerencial. A universidade nunca foi tão importante nesse processo como hoje. Pelo menos 10% dos alunos de todas as turmas que leciono são empreendedores, cansaram de serem funcionários e resolveram seguir em voo solo.

(*) Glauber Halt, professor Pós-Graduação da Anhanguera-Uniderp e MBA em Negócios, Projetos e Marketing e Vendas.

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions