A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Setembro de 2017

26/05/2015 13:03

Empreendedorismo no Brasil: a força está nos pequenos negócios

Por Glauber Halt (*)

O empreendedorismo tem ganhado notoriedade no mundo dos negócios. Muito em função das inovações tecnológicas (tecnologia e processos), globalização e principalmente do aumento da competitividade, seus fundamentos e aplicabilidade estão sendo direcionados, principalmente, para as microempresas e empresas de pequeno porte no Brasil, consideradas a “base” da economia brasileira.

Para se ter uma ideia, os micro e pequenos negócios somam um número expressivo: aproximadamente 99% dos estabelecimentos empresariais existentes no país.

De acordo com a Taxa de Atividade Empreendedora (TEA), o Brasil ocupa o sétimo lugar entre os países que possuem a maior quantidade de empreendedores no mundo. Em números absolutos, essa taxa significa aproximadamente 10 milhões de empreendedores.

Vale ressaltar ainda, algumas características em torno do estímulo que levam as pessoas a empreender. Em relação à motivação para empreender no Brasil, esse não é um fator primordial quanto a dez anos atrás. Para dar certo ou pelo menos aumentar a expectativa de vida do negócio o empreendedor tem que estudar e conhecer o negócio. Eu costumo falar que para dar certo precisa de 20% de paixão e 80% de transpiração.

Essas estatísticas demonstram a atual estrutura econômica do Brasil em torno da rigidez do mercado de trabalho, ou seja, as ofertas de trabalho insuficientes e seletivas acabam favorecendo a migração do empregado para a condição de “dono do próprio negócio”, principalmente, estimulado pela necessidade e oportunidade.

Entretanto, apesar dessa migração acontecer de maneira progressiva, a adoção de estratégias administrativas de negócios tem se mostrado um dos grandes pontos críticos para o fortalecimento das microempresas e empresas de pequeno porte, especificamente os que estão iniciando sua atividade empresarial, cujas debilidades gerenciais e dificuldades de acesso a mercados são agravados pela pouca ou nenhuma experiência como gestor da parte dos empreendedores.

Com isso, é necessário que políticas públicas de apoio às microempresas e empresas de pequeno porte estimulem ainda mais o empreendedorismo e a profissionalização, de forma que se crie um ambiente mais favorável e que os empresários possam ter condições de aperfeiçoamento técnico-gerencial. A universidade nunca foi tão importante nesse processo como hoje. Pelo menos 10% dos alunos de todas as turmas que leciono são empreendedores, cansaram de serem funcionários e resolveram seguir em voo solo.

(*) Glauber Halt, professor Pós-Graduação da Anhanguera-Uniderp e MBA em Negócios, Projetos e Marketing e Vendas.

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions