A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

03/09/2013 14:39

Erro inaceitável

Por José Luiz Magalhães de Freitas (*)

Sou professor de Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e desde a década de 1980 venho trabalhando com a formação de professores nessa área, bem como realizando estudos e pesquisas em nível de pós-graduação na área de Educação Matemática. Meu objetivo aqui é denunciar a manutenção de um erro no gabarito oficial da prova do último concurso público de provas e títulos para ingresso no cargo de Professor de Matemática da Carreira Profissional da Educação Básica do Quadro de Pessoal da Secretaria de Estado de Educação, realizado no dia 05/05/2013.

Apesar da grande quantidade de professores de Matemática, que realizaram esse concurso e que foram reprovados, terem impetrado recurso junto à Secretaria de Administração, alguns dentre eles por causa de uma única questão, a de no. 72, todos foram indeferidos, por meio da decisão publicada no diário oficial n. 8.439, de 23/05/2013.

Após analisar cuidadosamente uma das questões, a de no. 72, redigi um parecer no qual apresentei uma resolução da mesma mostrando que, de fato, o gabarito oficial estava incorreto. Buscando encontrar uma solução para o problema, eu enviei um e-mail à secretária de Estado de Administração, Thie H. dos Santos, questionando alguns aspectos do concurso e, sobretudo, o fato inaceitável de que com a manutenção do gabarito oficial incorreto estariam cometendo a injustiça de reprovar professores que deveriam ter sido aprovados ou aprovar outros que erraram a questão, erro que considero gravíssimo e um grande desrespeito com a classe dos professores de Matemática do nosso estado.

Para minha surpresa, em menos de uma semana, a secretária me respondeu por meio do Ofício 2075/GAB/SAD/2013-2, contendo a resolução comentada pelo elaborador. Ao ler a resolução contida nesse ofício levei um susto, confesso que fiquei pasmo ao ver o nível de incoerência e ingenuidade da resposta, em resumo, usando uma expressão popular “forçaram a barra”, de maneira injustificável, para dar a resposta do gabarito oficial definitivo que haviam publicado.

Imediatamente, eu enviei um e-mail à secretária dizendo que diante da resolução apresentada pelo elaborador, eu estava ainda mais convicto de que a única maneira de resolver o problema era anular essa questão. Após mais duas semanas aguardando resposta, eu entrei em contato com o diretor geral de seleção e ingresso de pessoal da Secretaria de Estado de Administração, o qual pediu para que eu lhe enviasse minhas considerações sobre essa questão para que ele pudesse analisar e tomar as providências devidas. Diante disso, eu entrei em contato com alguns professores do Instituto de Matemática da UFMS, com doutorado em diferentes instituições renomadas do Brasil e do Exterior, em diversas áreas de Matemática, e redigimos um ofício, que encaminhei por e-mail a ele no dia 15/08/2013, com cópia para a Secretária de Administração, no qual apontamos erros e contradições na resposta que foi enviada por meio do Ofício 2075/GAB/SAD/2013-2, contendo a resolução comentada (incoerente e equivocada) produzida pelo elaborador.

Compreendo a dificuldade em solucionar o problema, pois implica em primeiro lugar admitir o erro, em segundo mudar toda a classificação dos candidatos aprovados e já empossados e, por fim, convocar e dar posse a professores que não foram aprovados devido à manutenção do gabarito incorreto. No entanto, é incompreensível, injusto e inaceitável que, após tantos recursos impetrados pelos professores de Matemática, após o envio do meu parecer apresentando a resolução correta da referida questão e, sobretudo, após análise e manifestação de professores do Instituto de Matemática da UFMS, ainda não tenham tomado a decisão de anular a questão n. 72 e atribuir sua pontuação a todos os candidatos que prestaram o concurso. Com a palavra a Justiça e o Ministério Público.

(*) José Luiz Magalhães de Freitas, professor do Instituto de Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UFMS

E-mail: joseluizufms2@gmail.com

 

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...


Infelizmente esse fato não aconteceu somente com a prova de matemática, pois a prova de química também tem uma questão errada, questão nº 64, que eu entrei com recurso e a Comissão do Concurso simplesmente negou o recurso dizendo que minha reclamação não procede, mas conforme a literatura, e consulta a vários professores de química, a questão está realmente incorreta, mesmo assim a comissão manteve o gabarito errado e ficou por isso mesmo. Tive que recorrer a justiça, mas ainda não tive resposta.
E uma vergonha essa comissão de concurso.
 
Delmar Amorim Ribeiro em 13/09/2013 21:17:40
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions