A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

27/08/2014 13:30

Globalização e o Quintal de Nossa Casa

Por Rafael Rossi (*)

O termo globalização implica em pensar que graças aos avanços técnicos das últimas décadas e à união da tecnologia com a ciência o mercado tornou-se global. Isso quer dizer que efetivamente o mundo é “on line”, ou seja, não dorme e que as transações financeiras, de mercadorias e de fluxo de pessoas ocorrem em uma velocidade jamais vista na história da humanidade.

Alguns autores chegam a falar que esse processo de globalização levaria uma homogeneização da cultura e dos valores pelo mundo. De fato, podemos perceber cada vez mais hábitos e costumes de outros povos e outras culturas em nosso dia-a-dia, como por exemplo, a disseminação de termos em língua inglesa em nosso país, desde lanchonetes aos programas de televisão. No entanto, o geógrafo brasileiro Milton Santos (grande estudioso sobre a globalização) argumenta que justamente nessa dinâmica global as particularidades de cada lugar irão se manifestar. Embora a influência de filmes, propagandas etc.; que exaltam estilos de vida diferentes da realidade brasileira percebemos que esta se fortalece em um movimento de resistência.

Em seu livro “Por uma outra globalização”, Milton Santos argumenta sobre a globalização como fábula, como ela realmente é e como ela poderia ser. A primeira diz respeito aos discursos que nos afirmam que a globalização é algo benéfico que trouxe e continuará trazendo vários privilégios e vantagens ao modo de vida comum das pessoas, seja pelo acesso à informação, seja pelos bens tecnológicos que facilitariam nossa vida, possuindo e demonstrando, dessa maneira, um forte apelo ideológico.

Assim ela nos é propagandeada enquanto “fábula” e não do modo como ela ocorre. A globalização tal como ela é, por sua vez, se refere à realidade concreta cheia de contradições. Embora as tecnologias trouxeram avanços enormes para a área da medicina, por exemplo, assistimos o retorno de doenças que acreditávamos extintas como a cólera, malária, etc. Outra contradição se baseia no fato de que apesar dos avanços tecnológicos e das inovações ao universo do trabalho, ainda convivemos com o desemprego e a miséria. Dessa forma, a globalização na realidade em sua manifestação concreta acontece e se baseia enquanto perversidade à maior parte da população trabalhadora.

A globalização como ela poderia ser é defendida pelo geógrafo Milton Santos enquanto um outro uso dessas técnicas e desse processo global, para se criar as condições vividas e materiais de uma sociedade sem exclusões. Para isso é preciso refletir de modo crítico e aberto essas contradições e perversidades, para que assim, possamos ter consciência da necessária mudança. Portanto, pensar e discutir a globalização implica em debater nosso estilo de vida, nossas condições de trabalho e os discursos que nos anestesiam, para que o despertar de nossas mentes seja real e nossos braços possam destruir as prisões que nos comandam e ditam a nossa vida. Precisamos pensar o mundo e também o quintal de nossa casa, não de maneira fragmentada, mas sim articulada e raciocinada. Nossa cultura é resistência e permite lutar contra várias imposições do mundo globalizado, pois como nos lembra Mauro Iasi: “é tempo de tudo ou nada. E tempo de rebeldia. São tempos de rebelião. E tempo de dissidência. Já é tempo dos corações pularem fora do peito em passeata, em multidão. Porque é tempo de dissidência, é tempo de revolução.”

(*) Rafael Rossi, docente do curso de Licenciatura em Educação do Campo na UFMS em Campo Grande (MS)
E-mail: r.rossi@ufms.br

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions