A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

28/10/2011 12:30

Globalizar para aparecer

Por Luiz Gonzaga Bertelli*

O português é o sexto idioma mais falado no mundo, contabilizados os povos nativos ou aqueles que o têm como segunda língua, mas sobe para a quinta posição se considerado apenas o primeiro grupo. Apesar dessa abrangência – os falantes podem chegar a 273 milhões de pessoas – os países lusófonos não têm tanta relevância política ou econômica no mundo quando comparados à China e aos Estados Unidos, os donos das línguas mais difundidas. Isso força os brasileiros a se desdobrar para aprender inglês ou espanhol, a fim de ampliar o leque de ação profissional para fora dos limites geográficos do nosso país que, diga-se de passagem, é uma ilha cercada por todos os lados pelo idioma de Cervantes – sem contar, o francês e inglês das Guianas e o holandês do Suriname.

Um pesquisador brasileiro detectou que esse isolamento linguístico não afeta somente a carreira dos executivos, mas também a dos cientistas e acadêmicos. Durante o II Seminário sobre o desempenho dos periódicos brasileiros no Journal Citation Reports (JCR), Abel Packer mostrou que o número de citações por artigo dobra quando o texto está em inglês – sem dúvida, o idioma da globalização, hoje. Essa relação entre o estudo publicado e as referências que outros textos fazem a ele é o que determina a relevância do artigo. Afinal, de que vale uma descoberta genial se o mundo não tem acesso a ela?

Apenas 40% das revistas nacionais estão em inglês – o percentual na China é de 67% –, e o cenário brasileiro tem outro complicador: a baixa produção. Temos cerca de quatro mil periódicos científicos, o que representa apenas 2% do total mundial. Apesar dos pesares, o Brasil é o 13º país em quantidade de estudos publicados. Entretanto, como frisamos na nossa coluna semanal do último domingo, até mesmo a língua portuguesa pode ser uma barreira para o brasileiro médio que não tem costume de praticar a escrita ou mesmo de manter o saudável hábito da leitura. E para isso não é preciso ir longe, e muito menos, gastar: a internet está repleta de obras completas que podem ser baixadas e lidas em notebooks ou mesmo em celulares.

Essa deficiência é um grande entrave, e não somente no ambiente globalizado. É preciso investir o máximo possível em educação – do aprimoramento do uso do português ao aprendizado de idiomas estrangeiros e preparação técnica em uma profissão – para avançar no mercado de trabalho. O currículo do candidato que almeja se destacar deve espelhar o mundo globalizado e multifacetado em que vivemos. Esquecer as relações de interdependência entre os países e a importância de dialogar com a maior quantidade possível de pessoas é um erro. Aqueles que têm visão e percepção do exato valor da sua posição nesse jogo são reconhecidos, seja nos centros de pesquisas seja nas empresas.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions