A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Março de 2017

06/06/2012 08:40

Informações públicas

Por Vladimir Polízio Júnior (*)

Em meados de maio foi publicado no Diário Oficial o decreto que regulamenta a lei nº. 12.527/2011, a chamada “Lei do Acesso à Informação”. Desde então, a qualquer pessoa é permitido requerer informações de “órgãos públicos integrantes da administração direta dos Poderes Executivo, Legislativo, incluindo as Cortes de Contas, e Judiciário e do Ministério Público”, bem como de autarquias, fundações públicas, empresas públicas, sociedades de economia mista e “demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios”.

E com exceção de informações consideradas estratégicas ou de segurança nacional, tidas como sigilosas, pode-se perguntar de tudo: nomes, cargos e funções de servidores, seus salários, quanto uma secretaria gastou com salários, o valor de diárias de prefeitos e vereadores, quanto gastou o governador com sua viagem etc. O prazo para a prestação dessas informações é de até 30 dias, e a negativa sujeita o infrator a sanções administrativas ou até mesmo por improbidade.

Evidente, tudo é muito recente, mas devagar as Instituições estão se adequando à nova realidade. Daí que merece elogios a iniciativa da Câmara Paulistana em disponibilizar, desde 02 de junho, todas essas informações pela internet (http://www.camara.sp.gov.br/site). Transparência é sinal de lisura. Aliás, desde 1988 está na Constituição Federal, no seu artigo 37:

“A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência...”. Interpretada ao pé da letra, a exigência constitucional é clara, e a publicidade nos atos das administrações deveria ser lugar comum. Mas como nada é perfeito, não havia transparência, daí que com a Lei de Acesso à Informação fica mais difícil negar a constitucional publicidade dos atos administrativos.

Com as eleições municipais chegando, é um prato cheio para uma faxina geral. Há boatos sobre servidores fantasmas na sua cidade? É fácil apurar, basta requerer informações. Há suspeita de contratações irregulares?

Também, basta pedir esclarecimentos. Os médicos não cumprem seus horários no plantão do hospital? Requeira informações. E assim por diante. Essas possibilidades, nas mãos de bons políticos, fazem toda a diferença. Tomara que representem o início de melhores tempos. O Brasil merece.

(*) Vladimir Polízio Júnior, 41 anos, é defensor público (vladimirpolizio@gmail.com)

Operação Carne Fraca: importância da fiscalização
“Quanto menos as pessoas souberem como são feitas as leis e as salsichas melhor elas dormirão” (Otto Von Bismarck -1815-1898). Esta frase famosa de B...
O custo da violência no trânsito brasileiro
A imprudência no trânsito mata cerca de 45 mil pessoas por ano no Brasil e deixa aproximadamente 600 mil com sequelas permanentes, conforme aponta o ...
A carne é fraca
A operação deflagrada pela Polícia Federal conhecida como “carne fraca”, trouxe à tona, mais uma vez, escândalos que abalam a confiança nos produtos ...
A diferença entre a vida e a morte na BR-163 em MS
Em casos de acidente com trauma, a diferença entre a vida e a morte pode estar na rapidez do atendimento às vítimas e na eficácia dos procedimentos d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions