A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

01/12/2014 14:41

Jovens frustam a "cultura da morte" na Argentina

Por Luis Dufaur (*)

Catedral de Salta que a "cultura da morte" visava profanar

O governo argentino promoveu o “29º Encontro Nacional de Mulheres” que se repete anualmente no país. Neste ano ele foi realizado em Salta onde se reuniram algumas centenas de militantes feministas para advogar causas como o aborto, LGBT, e até a prostituição.

Tais eventos costumam se encerrar com uma passeata até a catedral local visando profaná-la, quiçá invadi-la e sujá-la. Com efeito, a revolução sexual foi abraçada pelo “bolivarianismo” que grassa no país e representa uma de suas facetas mais dinâmicas.

Alertados, os saltenses reagiram dentro da lei com notável sucesso. Martín Patrito, presidente de Argentinos Alerta, declarou à agência ACIPrensa que “ao chegarem a Salta as militantes do aborto encontraram a cidade cheia de cartazes defendendo a vida, difundidos pelos grupos que defendem a família”.

Eles não permitiram que a militância anti-vida se aproximasse da catedral, e desta vez, sequer uma gota de tinta sujou a Catedral. Como o regulamento do “Encontro” patrocinado pelo governo o permitia, moças e mulheres ingressaram legal e pacificamente nas salas onde as feministas faziam os seus debates.

Ali elas pediam votações de propostas e venciam numericamente, aprovando decisões favoráveis à vida. Obviamente a ousadia e a inteligência dessas católicas desataram a cólera das agitadoras profissionais. Máxime quando isto já acontecera em mais de uma ocasião nesses tais “Encontros”.

Por exemplo, a organização “Argentinos por la Vida” publicou no Facebook as conclusões de uma das comissões denominada “Taller de Mujer, Aborto y Anticoncepción”. A medida aprovada afirma que “a maioria desta comissão está a favor da vida da criança que vai nascer e nós somos a voz dos que não têm voz”.

Dita organização comemorou vitória e abriu uma faixa no local do “Encontro”. Nela se lia: “Enchemos o encontro delas”. Por sua vez, Argentinos Alerta promoveu, através da CitizenGO, um abaixo assinado pedindo às autoridades locais proteção policial contra o previsível vandalismo das feministas.

As moças pela vida argentinas foram mais espertas e corajosas

Na Catedral de Salta se veneram duas das mais belas e famosas imagens da Argentina, objeto de procissões e romarias em que participam centenas de milhares de fiéis nas festas principais: o Jesus do Milagre e a Virgem do Milagre.

Quando as militantes da violência anticristã chegaram, encontraram ruas, igrejas e prédios bem protegidos pela polícia, não podendo se aproximar dos lugares previamente escolhidos por elas, disse Martín. As organizadoras abortistas se autoproclamam soberanas, democráticas, pluralistas e igualitárias.

Na verdade, as opiniões contrárias ao aborto não eram sequer ouvidas por essas ativistas agressivas e violentas. Mas isso, que já se sabia por antecipação, não impediu que a mensagem pela vida e pela família se fizesse ouvir com força e o “Encontro” tenha sido frustrado em seus objetivos sacrílegos.

Entre os agitadores figuravam “militantes do Partido Obrero (agrupação da extrema esquerda), que ao denunciar a discriminação e a violência se despiram, proferindo toda espécie de blasfêmias contra a Igreja Católica e os fiéis que se reuniram em frente da Catedral para protegê-la”.

Esse é o grau de intolerância das que reclamam ‘tolerância’ e ‘abertura’: só praticam agressão e violência contra os que não pensam como elas.

Isto se deve ao fato de que “o aborto é violência, e só se pode impor com mentira e violência”, concluiu Martín.

( * ) Luis Dufaur é escritor e colaborador da ABIM

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions