A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

28/06/2012 19:16

Manifesto ao partido consumista

Por Angela Batista Xavier (*)

De nada vale todo o ouro que reluz.

Enraizada naquela esquina matinal, onde corpo já se acostumou a seguir uma dada trilha para ir de encontro ao ponto, lá estava esta pessoa matutando pensamentos sórdidos sobre nada.

Necessitava o eu de ter o mundo, o passado, o presente e as eventualidades futuras no guarda-trapos. Necessitava àquele ser os brilhos encrostados no chão, a terra prometida da moda, o vermelho escaldante dos toc-toc.

Ali jazia o sentimento no qual nunca surtiu frutos. Nem foi regado.

Plantado. Ali jazia a rosa que já nasceu murcha, cujo sol teve como participação no ato dançante, a corte de secar o que nem sulco possuía. Mas, no mesmo terreno, surtia como quem deseja roubar a luz do brilhante, mesmo que exteriormente seja um Citrino, uma flor do campo imponente. E ali, aquela alma era consumida em pé por um cosmo cifronizado.

Começa a chover. Não era a véspera do escarro, mas sim a véspera do inverno.

Inferno para dois cidadãos guiados pela sina de carregar no pescoço a desgraça de uma vida desconstruída. Naquela chuva torrencial, as duas imagens não estavam a dançar.

Não há apelo para o romantismo. Não havia tango e nenhum tipo de performance, apenas o rugir da fome. O barulho dos chinelos sobre as poças surtiam marteladas em Minh ‘alma.

Estava ali a observar aquelas duas criaturas a vagar pelo dilúvio congelante, (uma trajando um vestidinho singelo regado de flores e a outra vestindo uma bermuda marrom rasgada que nada combinava, segundo a tendência de inverno, com a camisa azul piscina) procurando em meio ao caos como o urubu que procura carniça, algo mastigável.

A mulher saía como uma testemunha de Jeová batendo em porta em porta, mendigando pelo amor de Deus, um pedaço de pão. Um se arriscou na chuva, e ofereceu à senhora, um saco de arroz e um quilo de feijão, porém, dois irmãos vizinhos, bateram a porta em sua fuça.

O homem junto a ela arrastava pelo asfalto, um carrinho artesanal contendo todo quanto é tipo de material reciclável-sentimental. Eram dois seres humanos tentando sobreviver no mundo de feras.

E eu era uma fera. A fera que consome, que mata, que fode, que chamusca nos vales verdes. A fera sistemática. Eu sou a onça, o extinto beija-flor, a tartaruga-de-pente, a garça branca, a arara vermelha, a garoupa e o

mico. Eu sou o lobo do homem.

Diante daquele espelho, fosco, os meus olhos cegos de mirra enxergaram pela primeira vez a minha veste marrom ornada com flores, sendo que a flor central da minha vestimenta era aquela rosa que nunca vingou.

E ali, como um cego curado a partir da mistura homogênea de cuspe e terra, vi a minha sombra partir, sobre os confins do mundo das sucatas, onde nada reluz, além da esperança bruta que permanece virgem, na espera de ser esculpida.

(*) Angela Batista Xavier é acadêmica de letras.

Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
Sonho, urgência e economia verde
Vivemos uma utopia. A ideia de que as utopias acabaram é falsa. Quem está imerso nessa fantasia não percebe, mas vivemos a utopia da técnica e do con...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions