A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

28/06/2012 19:16

Manifesto ao partido consumista

Por Angela Batista Xavier (*)

De nada vale todo o ouro que reluz.

Enraizada naquela esquina matinal, onde corpo já se acostumou a seguir uma dada trilha para ir de encontro ao ponto, lá estava esta pessoa matutando pensamentos sórdidos sobre nada.

Necessitava o eu de ter o mundo, o passado, o presente e as eventualidades futuras no guarda-trapos. Necessitava àquele ser os brilhos encrostados no chão, a terra prometida da moda, o vermelho escaldante dos toc-toc.

Ali jazia o sentimento no qual nunca surtiu frutos. Nem foi regado.

Plantado. Ali jazia a rosa que já nasceu murcha, cujo sol teve como participação no ato dançante, a corte de secar o que nem sulco possuía. Mas, no mesmo terreno, surtia como quem deseja roubar a luz do brilhante, mesmo que exteriormente seja um Citrino, uma flor do campo imponente. E ali, aquela alma era consumida em pé por um cosmo cifronizado.

Começa a chover. Não era a véspera do escarro, mas sim a véspera do inverno.

Inferno para dois cidadãos guiados pela sina de carregar no pescoço a desgraça de uma vida desconstruída. Naquela chuva torrencial, as duas imagens não estavam a dançar.

Não há apelo para o romantismo. Não havia tango e nenhum tipo de performance, apenas o rugir da fome. O barulho dos chinelos sobre as poças surtiam marteladas em Minh ‘alma.

Estava ali a observar aquelas duas criaturas a vagar pelo dilúvio congelante, (uma trajando um vestidinho singelo regado de flores e a outra vestindo uma bermuda marrom rasgada que nada combinava, segundo a tendência de inverno, com a camisa azul piscina) procurando em meio ao caos como o urubu que procura carniça, algo mastigável.

A mulher saía como uma testemunha de Jeová batendo em porta em porta, mendigando pelo amor de Deus, um pedaço de pão. Um se arriscou na chuva, e ofereceu à senhora, um saco de arroz e um quilo de feijão, porém, dois irmãos vizinhos, bateram a porta em sua fuça.

O homem junto a ela arrastava pelo asfalto, um carrinho artesanal contendo todo quanto é tipo de material reciclável-sentimental. Eram dois seres humanos tentando sobreviver no mundo de feras.

E eu era uma fera. A fera que consome, que mata, que fode, que chamusca nos vales verdes. A fera sistemática. Eu sou a onça, o extinto beija-flor, a tartaruga-de-pente, a garça branca, a arara vermelha, a garoupa e o

mico. Eu sou o lobo do homem.

Diante daquele espelho, fosco, os meus olhos cegos de mirra enxergaram pela primeira vez a minha veste marrom ornada com flores, sendo que a flor central da minha vestimenta era aquela rosa que nunca vingou.

E ali, como um cego curado a partir da mistura homogênea de cuspe e terra, vi a minha sombra partir, sobre os confins do mundo das sucatas, onde nada reluz, além da esperança bruta que permanece virgem, na espera de ser esculpida.

(*) Angela Batista Xavier é acadêmica de letras.

Muito, pouco
No dia 3 de maio de 2016, foi promulgado o Decreto nº 8.737, que institui o Programa de Prorrogação da Licença-Paternidade para os servidores público...
A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions