A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

13/04/2017 14:42

Momento de reformas

Por Paulo Afonso Ferreira (*)

Crises estimulam o aprimoramento e devemos vê-las como oportunidades. O Brasil passou por várias, que trouxeram instrumentos para suprir lacunas, como: a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e a Constituição Federal de 1988, que tiveram suas importâncias e contribuições, mas ainda há obstáculos que o Estado não conseguiu romper.

Somos reconhecidos pela burocracia e complexidade de leis, sendo imprescindíveis a realização de mudanças no âmbito das relações do trabalho, da previdência, da legislação ambiental, tributária, política, entre outras.

O desafio da gestão pública é conduzir suas estruturas com governança e eficiência, evitando aumento de tributos, pois a sociedade não aguenta os excessos, que elevam o custo da produção, desestimulam a geração de empregos e reduzem o poder de compra da população. O governo federal tem apresentado propostas de reformas que merecem ser apoiadas como alternativas para a retomada do crescimento, pois o atual modelo não é sustentável.

É justo o reconhecimento nas ações de modernização das leis do trabalho e da previdência, bem como ao Congresso Nacional pela aprovação do projeto de terceirização. A sociedade precisa se conscientizar que o cenário é complexo e exige medidas duras. Vários países chegaram ao patamar de desenvolvimento pelo senso de urgência e coragem de mudar.

Forças políticas e contrárias, movidas a interesses partidários e corporativistas, estão se movimentando, em detrimento dos interesses coletivos. Minorias organizadas tentam desvirtuar a realidade, com informações infundadas e falsas, como ao afirmar que a terceirização irá causar desemprego e precarização das relações de trabalho e que as reformas trabalhista e previdenciária irão acabar com direitos dos trabalhadores.

O trabalho dignifica o ser humano e o mais importante neste momento é se buscar a sobrevivência das empresas e a redução do desemprego.

Mitos e desinformações precisam ser combatidos para que a verdade prevaleça e seja feito aquilo que é melhor para o Brasil. Precisamos de união, diálogo e desapego a ideologias, pois estamos todos no mesmo barco e se não forem implementadas mudanças no curto prazo, todos pagaremos a conta, que tem se tornado cada vez maior.

(*) Paulo Afonso Ferreira é vice-presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), presidente do Conselho de Assuntos Legislativos da CNI e diretor-geral do IEL (Instituto Euvaldo Lodi)

Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...
Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions