A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

14/06/2015 18:23

Mudanças climáticas: armando a armadilha

Silvia Ribeiro

Aumenta o caos climático, com tempestades ferozes fora de tempo e lugar, inundações onde não havia, secas intermináveis, ondas de frio ou calor extremo, tudo com impactos terríveis para as pessoas comuns e pior para os mais vulneráveis.

Suas causas são claras: a expansão do modelo industrial de produção e consumo baseado em combustíveis fósseis (petróleo, gás e carvão), principalmente para a geração de energia, sistema alimentar agroindustrializado e urbanização descontrolada. Urge mudar o modelo e reduzir drasticamente a emissão de gases de efeito estufa, a única solução real.

Mas, com o poder econômico das indústrias beneficiadas e os enormes subsídios que recebem dos governos - a quem retribuem o favor apoiando suas campanhas políticas - mudanças ou reduções realmente não estão na agenda.

Em vez disso, estão criando uma armadilha global para continuar com seus negócios, fingindo que fazem algo para enfrentar a crise. Sua aposta de fronteira é a geoengenharia: manipular o clima para cobrir o sol e reduzir a temperatura, remover os gases atmosféricos por meios tecnológicos e enterrá-los em fundos geológicos, alterar a química dos oceanos, nuvens, branquear as nuvens, entre outras.

Como tudo na geoengenharia é de alto risco, razão pela qual está sob uma baixa moratória nas Nações Unidas, a manobra é começar com algumas técnicas e, em seguida, legitimar o pacote dos mais arriscados, alegando que é demasiado tarde para outras medidas.

As que empurram agora, ante a iminência de um novo acordo climático global sobre o clima, que deve ocorrer em Paris em dezembro de 2015, se chamam CCS e BECCS por suas siglas em inglês, ou “captura e armazenamento de carbono” e “bioenergia com captura e armazenamento de carbono”. Ambas vêm da indústria petroleira, que não se utilizava por não ser economicamente viáveis.

Não estamos falando de qualquer indústria, a energia é a mais poderosa do mundo. Das 12 maiores empresas do mundo, oito são de petróleo e energia, duas são comerciantes de alimentos e duas fabricantes de automóveis (Lista de Fortune, 2015).

As principais empresas combinam setores, que segundo especialistas, são as principais causas da mudança climática. Apenas 90 empresas de petróleo, energia e cimento (principalmente privadas) são responsáveis por dois terços dos gases com efeito estufa emitidos a nível mundial desde 1850 (R. Heede, 2014).

Atualmente, as indústrias de petróleo e energia manejam uma infraestrutura de US$ 55 bilhões em todo o mundo. Tem reservas inexploradas estimadas em US$ 25 a US$ 28 bilhões. Um recente relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI, maio de 2015) acrescentou que os governos subsidiam estas indústrias com US$ 5,3 bilhões anuais, ou conforme calculado pelo jornal britânico The Guardian, US$ 10 milhões por minuto, durante todos os dias de 2015. Uma quantidade muito maior do que os custos de saúde somados de todos os governos do mundo.

A quantidade estimada pelo FMI inclui subsídios diretos e indiretos, tais como os enormes custos de saúde e meio ambiente atribuídos ao uso de combustíveis fósseis. O relatório foi contestado por fontes corporativas, alegando que são subsídios para consumo e que outros combustíveis também têm impactos. Mas, mesmo subtraindo o que se disputa, trata-se de cifras exorbitantes para as empresas mais poluentes e ricas do mundo.

A reforma privatizadora da energia no México também ajuda a subsidiar. O FMI não produziu este relatório para criticar as petroleiras. Pelo contrário, o que se pretende é que, em vez de subsídios, se aumente o preço do combustível, de modo que as empresas mantenham suas entradas, mas que os pobres paguem mais dinheiro.

Em qualquer caso, com tais somas, é óbvio que a indústria de energia não vai desistir de seus investimentos e continuar explorando as reservas que tem. Por isso, a geoengenharia é para ela uma solução “perfeita”: não tem que mudar nada, pode continuar aquecendo o planeta e depois cobrar para resfriá-lo, vendendo mais tecnologia.

O que agora é chamado de captura e armazenamento de carbono (CCS) foi chamado antes de Recuperação Avançada de Petróleo (EOR). Trata-se de injetar dióxido de carbono (CO2) a pressão em poços de petróleo já explorados, para empurrar as reservas mais profundas até a superfície. A tecnologia existe, mas não foi desenvolvida porque a instalação é muito cara e o extraído não compensa o investimento.

Agora, com a mágica renomeação de EOR para CCS, a indústria alega que ao deixar o CO2 em poços de petróleo e outros recursos geológicos, está retirando o carbono da atmosfera e, portanto, é uma medida contra as alterações climáticas, como tal devem ser apoiadas e receber créditos de carbono.

Eles argumentam que desta forma podem compensar as emissões de carbono não só de sua própria indústria, mas também de outras atividades poluentes, e o resultado será o que eles chamam de "emissões líquidas zero". Com BECCS (bioenergia com CCS) vão mais longe e chamam de "emissões negativas", porque plantam, ao mesmo tempo que instalam a captura de carbono, extensos monocultivos de árvores ou outras plantas que absorvem carbono e, portanto, de acordo com eles, a soma daria negativa.

Não há absolutamente nenhuma prova de que isso funcione, mas é sabido que os riscos ambientais, sociais e de saúde para tentar instalar essas tecnologias são altos: não há certeza que o CO2 permanece no fundo, se há vazamentos, serão tóxico para as plantas, animais e seres humanos, mesmo em pequenas quantidades contaminará os mares e por área, também pode contaminar aquíferos.

Além disso, a chamada "bioenergia" se refere a grandes plantações e são um pesadelo: já existem movimentos de protesto contra elas em todos os continentes, competem com a produção de alimentos, por terra e água, deslocam comunidades, devastam ecossistemas.

Sim, se realmente implantarem massivamente instalações de captura e armazenamento de carbono, ou CCS, também desencadeará uma nova concorrência para a acumulação de terras, agora subterrânea, já que nem todos os terrenos são adequados para armazenamento de carbono, e aqueles que são considerados deve ser grilados por esta poderosa indústria.

É muito preocupante que empresas e governos promotores da CCS já desenvolveram o que eles chamam de "Atlas de armazenamento geológico de CO2", - mapeando os lugares onde, teoricamente, poderiam armazenar carbono, facilitando essa acumulação. Este Atlas foi desenvolvido para a América do Norte, Europa e México, este último financiado pelo governo, através do Ministério da Energia.

Shell já está dizendo publicamente que deve ser pago às petroleiras para que elas salvem o planeta da mudança climática com o BECCS e CCS. Seria o cúmulo da perversão: pagar aos culpados do caos climático, para que extraiam mais petróleo e cobrem de nós para continuar poluindo.

*Silvia Ribeiro é pesquisadora do Grupo ETC que monitora o impacto das tecnologias emergentes e estratégias corporativas sobre a biodiversidade, a agricultura e os direitos humanos.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions