A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

03/09/2016 15:00

Não há milagre para a sustentabilidade no manejo de pragas em campo

Por Marcelo Poletti (*)

Atualmente, há uma percepção de que a exclusão dos produtos químicos utilizados para o controle de pragas é solução imediata para uma agricultura mais saudável e sustentável. Porém, considerando a extensão das áreas agricultáveis no Brasil e o progresso alcançado nos últimos 15 anos, percebe-se que os desafios neste setor são enormes.

De fato, é importante considerar que o controle químico ainda é a principal ferramenta empregada pelo agricultor e que a sua adoção nem sempre é realizada de forma adequada, o que sem dúvida, leva a uma série de problemas que afetam a sustentabilidade no campo. Isso tem que mudar, pois é inaceitável.

Essa desestabilidade tem impulsionado o desenvolvimento de pesquisas na busca de inovações que contribuam para equacionar e parametrizar o binômio agricultura e meio ambiente. Porém, conhecendo-se de perto a dimensão continental que o Brasil rural assume, bem como as suas diversidades e complexidades de paisagens em regiões com características específicas, verifica-se que é impossível afirmar que uma tecnologia, por mais revolucionária que possa parecer, consiga solucionar isoladamente esta questão.

Desta forma, excluir os agroquímicos da caixa de ferramentas do produtor rural, restringe e muito, seu leque de opções. A adoção de produtos químicos seletivos com alta performance e baixo impacto ambiental contribuirá com a preservação de inimigos naturais e agentes polinizadores presentes nas áreas de cultivo. Ao mesmo tempo, a aplicação de produtos seletivos permitirá a integração desta ferramenta com a liberação de ácaros predadores, microvespas, bactérias, fungos e vírus, todos produtos biológicos com registros concedidos pelos órgãos regulamentadores vigentes no país. O uso conjunto de táticas de controle é a forma mais coerente e viável para que o agricultor consiga migrar de um sistema de produção em desequilíbrio para um ambiente mais estável e menos dependente do uso exclusivo de químicos.

No entanto, apontar o caminho para a sustentabilidade no manejo de pragas em campo é apenas o primeiro passo de uma longa caminhada que deve ser iniciada com a educação e transferência do conhecimento. Não basta ter novas opções dispostas em prateleiras de distribuidores e revendas, se suas características intrínsecas não forem completamente entendidas e assimiladas por profissionais do setor. Conhecer os benefícios, restrições de uso e a forma mais adequada para o emprego de cada tecnologia, bem como entender como integrá-la corretamente à diferentes estratégias de manejo de pragas é imprescindível para o sucesso de sua adoção. Para isso o suporte dado pelos fabricantes e fornecedores de insumos é extremamente importante, inclusive para preservar a vida útil das tecnologias ofertadas.

A agricultura do futuro exige cada vez mais profissionalismo e consciência dos reflexos de cada ação adotada em campo. Como em um jogo de xadrez, só vence aquele profissional que entende todas as regras impostas pelo meio e que acima de tudo mantém durante todas as jogadas uma boa visão estratégica. Produzir cada vez mais, preservando o meio ambiente, a saúde trabalhador rural e consumidor final é condição mínima para o sucesso em campo.

(*) Marcelo Poletti é Engenheiro Agrônomo com doutorado em Entomologia, sócio fundador e CEO da Promip, empresa de biotecnologia pioneira na fabricação de produtos biológicos e serviços especializados para programas de manejo integrado pragas

Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...
Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions