A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

16/12/2014 08:56

Novo Código Florestal: Reserva Legal e APP's

Por Willian Vieira (*)

Com o intuito de buscar o equilíbrio entre agricultura e ambientalismo, regularizando a exploração das florestas no Brasil, especialistas em engenharia ambiental e florestal elaboraram o Código Florestal Brasileiro, criado em 1965 e adotado até o ano de 2012.

No dia 25 de abril de 2012, o congresso aprovou uma nova lei, apósquatro anos de muita discussão. De um lado os ambientalistas, almejando regras mais rígidas, do outro, a bancada ruralista, tentando aliviar um pouco mais para o produtor. A lei foi sancionada um mês depois, no dia 25 de maio, com apenas 9(nove) vetos, mas fez mudanças significativas.

Com o novo Código Florestal, oproprietário rural pode incluir na conta da reserva legal, áreas que antes já eram de preservaçãoobrigatória, como as APP’s - Áreas de Preservação Permanente (mata ciliares, nascentes e topos de morro). Pequenos, médios e grandes produtores foram diferenciados,ficandocada reserva proporcional ao tamanho da propriedade, eas propriedades de até quatro módulos fiscais tornaram-se isentas de reserva.

O art. 12 do Código Florestal determina os percentuais mínimos de cobertura vegetal nativa a serem preservadas na área do imóvel; na Amazônia legal: 80% do imóvel situado na área de florestas; 35% em áreas de cerrado e 20% nas áreas de campos gerais. Nas demais regiões do país apenas 20% da área devem ser preservadas.

A localização da área de reserva legal no imóvel deve respeitar os seguintes critérios: plano de bacia hidrográfica; formação de corredores ecológicos com outra reserva legal, com área de preservação permanente, com unidade de conservação ou com outra área legalmente protegida; as áreas de maior importância para conservação da biodiversidade e as áreas de maior fragilidade ambiental.

Os proprietários irregulares têm dois anos, contados a partir de outubro de 2012, para se inscreverem no CAR (cadastro ambiental rural), apresentando comprovação da propriedade, identificação do imóvel por meio de planta e memorial descritivo com as coordenadas geográficas e localização das áreas ambientalmente protegidas. Quem não estiver cadastrado, não terá acesso a crédito agrícola, financiamento para recuperação de área ambiental e nem isenção de impostos para insumos e equipamentos.

Dois anos após a lei, ainda há críticas contra aspectos que ainda não foram colocados em prática, como os incentivos econômicos para quem não desmatou ilegalmente, que não saíram do papel, e o CAR, que anda a passos lentos, ondemilhares de propriedades rurais precisam ser cadastradas. Com isso fica a pergunta, o que realmente avançou na preservação ambiental no Brasil em 2 anos de Novo Código Florestal?

(*) Willian Vieira, advogado do escritório Mascarenhas Barbosa & Advogados Associados

 

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions