ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUINTA  30    CAMPO GRANDE 25º

Artigos

Novo Plano Municipal de Educaçaõ da Capital viola decisão da corte internacional

Por Helena Henkin e Tiago Resende Botelho (*) | 29/06/2015 09:57

No dia 23 de junho de 2015,em Campo Grande - Capital do Estado de Mato Grosso do Sul, vinte e sete vereadores expuseram, inquestionavelmente, o município auma violação de Direitos Humanos.A Semed (Secretaria Municipal de Educação) encaminhou para aprovação do legislativo, o Plano Municipal de Educação (PME) para o decênio 2015-2024. Tal instrumento é ummecanismo pedagógico que viabiliza o diálogo entre sociedade civile município na construção e orientação das políticas educacionais.

Em resumo, oobjetivo do PMEestá firmado na melhoria da qualidade de ensino e na promoção humanística, científica e tecnológica do País.Com base em tais exigências,as questões de gênero se fizeram presentes.

Diferente do que pensam os vereadores, gênero não é uma ideologia, não é ensinar ou obrigar as crianças a serem homens ou mulheres, heterossexuaislésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, transgêneros e intersex. Mas um estudo baseado em pesquisas sérias no campo científico, desenvolvidas há anos, teorizando a desvalorização social dos seres humanos de acordo comseu sexo, orientação sexual e identidade. Em outras palavras, são as relações entre os sexos, construídas cultural e socialmente pelos seres humanos.No caso dos últimos séculos, pautadas na subordinação do sexo feminino pelo masculino.

A mulher espancada, a travesti assassinada, a indígena desempregada, a mulher negra que recebe menor salário que a branca, o gay e a lésbica que são maltratados fora ou dentro do ambiente escolar, a transexual fora da escola e muitas outras são questões e realidades estudadas nas relações de gênero e, dada a importância de tais, devem ser discutidas na Escola, pois, ainda que tenham esquecido os vereadores de Campo Grande, eles legislam num Estado Democrático de Direitos.

Sabe-se que estas relações, historicamente, têm sido construídas de maneira desigual. Exemplos claros disto são a violência doméstica e as diferenças salariais entre homens e mulheres, além da exclusão de travestis e transexuais por sua orientação e nãoadequação a dicotomia preestabelecida por ideologias socialmente excludentes e carentes de revisão e desconstrução. Essas e muitas outras são questões e realidades estudadas nas relações de gênero e que devem ser discutidas na Escola.

Preocupar-se em garantir os estudos das relações de gênero nas escolas não significa nada além do que construir uma sociedade mais equânime e com menos sofrimento para todos e todas.

A retirada das questões de gênero do Plano Municipal de Educação pelos vereadores revela totaldesconhecimento em relação aoconceito real e científico de gênero. Desconhecem que a decisão por eles tomada expõe o município aviolação internacional de Direitos Humanos, já analisada e decidida pela Corte Interamericana de Direitos Humanos e popularmente conhecida no Brasil,comoé o caso da Maria da Penha, que deu origem à lei homônima.

Mediante a omissão, por quinze anos, do poder judiciário brasileiro em condenar o ex-marido de Maria da Penha, Marco Antônio Heredia Viveiros, que a deixou paraplégica após um caso de violência doméstica, o Brasil foi denunciado à Corte Interamericana de Direitos Humanosque declarou o país omisso e tolerante à violência contra a mulher e, entre outras coisas, recomendou a inclusão de unidades curriculares destinadas à compreensão da importância do respeito à mulher e a seus direitosnos planos pedagógicos nacionais.

A decisão internacional recomendou fazer exatamente aquilo queos vereadores se negaram: incluir em seus planos pedagógicos estudos destinados à compreensão da importância do respeito às relações de gênero.

O caso internacional focou a questão particular de Maria da Penha, no entanto, por questão de lógica e de justiça social, pode-se alargar a sugestão para todos os que estão sendo desrespeitados pelo seu sexo, orientação sexual e identidade de gênero.

Os vereadores violaram inúmeros tratados internacionais de Direitos Humanos e desrespeitaram a Constituição Federal e Estadual ao negarem o objetivo fundamental da República:promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação (Art. 3º).

Se houvesse o estudo das relações de gênero nas escolas, quando nossos vereadores se formaram, certamente estes poderiam, hoje em dia, discutir e votar sobre a questão com propriedade e respeito ao Estado Democrático de Direito. Mas lamentavelmente usam o cargo segundo suas convicções e ideologias subjetivas.

Não há melhor maneira de proteger a família do que ensinando às crianças e jovens que devemos respeitar a todos e todas. Não há princípio mais cristão que o amor ao próximo, que só se torna plausívelnuma sociedade sem violência e com mais aceitação das diferenças e pluralidades.

(*) Helena Henkin autora é bacharel em Direito e mestranda em Direito Público pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP.

(*) Tiago Resende Botelho é professor do Curso de Direito e servidor público, doutorando em Direito Público pela Universidade de Coimbra; Mestre em Direito pela UFMT e especialista em Direitos Humanos pela UFGD.

Nos siga no Google Notícias