A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

01/08/2011 06:02

O crédito ao investimento e o controle da inflação

Por Fernando Puga e Marcelo Miterhof (*)

O Brasil teve sucesso em combater os efeitos da crise financeira internacional. Mas após a recuperação rápida e forte observada na economia brasileira, surgiram novos desafios. Em especial, há desde setembro passado uma aceleração da inflação, que, apesar dos sinais de perda de força, ainda é preocupante.

Essa aceleração foi causada originalmente por um choque internacional de preços de commodities, em particular alimentares, e propagada pelo ambiente interno de demanda aquecida, o que se refletiu principalmente na elevação dos preços relativos do setor de serviços.

O governo deu prioridade ao combate à inflação, tomando medidas como corte de

gastos públicos, elevação de juros e contenção do crédito por meio de medidas

macroprudencias. Nesse contexto, o Ministério da Fazenda optou por fazer um novo aporte de recursos ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), desta feita de R$ 55 bilhões.

Essa medida tem sido alvo de críticas, por ser considerada conflitante com as demais ações anti-inflação. Isso porque, ao "turbinar" o investimento, via expansão do crédito do BNDES, o governo estaria "alimentando" a inflação.

O investimento tem de fato dois efeitos distintos ao longo do tempo: a curto prazo, eleva a demanda agregada, o que dificultaria o combate à inflação; a longo prazo, expande a capacidade produtiva da economia, o que aumenta a oferta agregada e alivia pressões inflacionárias futuras. Como a política econômica atual deve lidar com esse dilema?

Analistas têm argumentado que a primeira preocupação deve prevalecer, pois a

elevação da inflação para o teto da meta (ou além dele) reduziria a credibilidade do Banco Central, reforçaria a indexação da economia e exigiria doses maiores de juros, no futuro, para obter um mesmo resultado em termos de combate à inflação. Isso reduziria então o crescimento futuro, por comparação com uma política mais dura no presente.

Tal hipótese é teoricamente plausível, ainda que seus reais efeitos sejam difíceis de avaliar. Mais do que isso, é preciso lembrar uma lição de pragmatismo, nos dada originalmente pelo economista Robert Mundell: se há na economia objetivos conflitantes, é cabível usar instrumentos que operam em sentidos opostos, por exemplo, política monetária contracionista e fiscal expansionista ou vice-versa.

O importante é que cada uma das armas mire na direção daquele objetivo para o qual é mais eficiente. Numa economia que enfrentou baixas taxas de inversão desde os anos de 1980, parece pouco sensato que o combate a um repique inflacionário se dê pelo estancamento da trajetória de recuperação dos investimentos.

A importância do investimento é sem dúvida algo bem palpável. Ainda assim, cabe um exemplo. Tome-se o caso dos grandes projetos de geração de energia elétrica, cujo financiamento é feito pelo BNDES, viabilizado em parte pelos aportes do Tesouro. Se alguns desses investimentos forem cancelados, adiados ou tiverem seu ritmo de execução retardado, a escassez de energia, dentro de alguns anos, constituirá um gargalo para o aumento da produção dos demais setores da economia.

A direção do efeito que essa escassez terá sobre os preços pode bem ser imaginada. O mais importante é que as recentes políticas de ampliação e diminuição do custo do crédito ao investimento têm se mostrado potentes para alavancar a formação bruta de capital fixo (FBCF) ao mesmo tempo em que parecem ter um efeito mais moderado sobre a expansão da demanda agregada. Em 2011, o BNDES deverá aumentar sua participação na FBCF para cerca de 15,8% (em 2010, foi de 14,6%).

Esse crescimento ocorre junto com uma moderação de seus desembolsos totais, o que significa que sua atuação tem se reduzido em linhas de capital de giro e afins. De fato, o papel do banco no mercado de crédito, que havia sido fortemente expansionista nos momentos mais agudos da crise, mudou a partir do segundo semestre de 2010. De novembro a maio, o BNDES reduziu em 30% sua contribuição para a taxa de crescimento do estoque total de crédito da economia.

Quanto à demanda agregada, o BC adota uma metodologia para medir o impulso

fiscal, comparando a elevação real da demanda do governo com o aumento real do "PIB potencial" (sem pressionar a inflação) e o crescimento real das receitas líquidas de transferências ao setor privado com a elevação real do PIB efetivo.

Para o setor público como um todo, excluído o BNDES, o impulso fiscal estimado para 2011 é de -0,8% do PIB. No caso do BNDES, esse cálculo envolve seus desembolsos, que em 2011 deverão variar de R$ 145 bilhões a R$ 150 bilhões.

Descontada a variação esperada dos preços de bens de capital, o crescimento real em relação a 2010 (R$ 143,6 bilhões, descontados os R$ 24,8 bilhões da capitalização da Petrobras) deverá variar de -5,6% a -0,1%.

Dessa forma, o efeito dos desembolsos do BNDES sobre o excesso de demanda da

economia em 2011, medido pelo indicador de impulso fiscal, também deverá ser

negativo, algo de -0,40% a -0,16% do PIB (para detalhes desses cálculos, acesse o informe "Visão do Desenvolvimento" em www.bndes.gov.br). Assim, os desembolsos do BNDES terão desempenho mais modesto, contribuindo para o combate à inflação.

Em suma, tendo em conta a potência dos distintos instrumentos para atingir diferentes objetivos, a melhor alternativa de política econômica parece ser uma estratégia por meio da qual se retira o excesso de demanda da economia, mas não de forma linear, e sim mudando sua composição.

Soa mais razoável adotar um conjunto de medidas que contenha os gastos do governo e o consumo das famílias no curto prazo, ao mesmo tempo em que os investimentos são preservados. Se bem dosada, tal combinação de políticas terá o efeito de remover o excedente de gasto, reorientando-o para a FBCF,

de forma a manter o crescimento da capacidade produtiva da economia.

As políticas anti-inflacionárias recentemente adotadas - restrições ao crédito ao consumo e cortes de gastos do governo - não conflitam em princípio com estímulos ao investimento via redução de impostos e manutenção do crédito do longo prazo. Pelo contrário, esse "mix" parece adequado ao objetivo de conciliar o controle da inflação com o menor sacrifício possível do crescimento econômico.

(*) Fernando Puga é mestre em economia pela PUC-RJ e superintendente da área de Pesquisa e Acompanhamento econômico do BNDES e Marcelo Miterhof é mestre em economia pela Unicamp e é economista da área de Planejamento do BNDES.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions