A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017

07/06/2014 14:41

O ensino de habilidades sociais: essencial na educação

Por Gisele Vitório (*)

Encontramos hoje em nosso país um déficit em desenvolver habilidades sociais que até pouco tempo eram menosprezadas frente a um belo currículo acadêmico. Embora muitas vezes sejammais requeridas que as próprias habilidades técnicas, as habilidades sociais não são ensinadas em nossas instituições de ensino. Não temos salas de aula e equipe escolar capacitada para o desenvolvimento de um aprendizado de capacidadesimples como relacionamento interpessoal, resolução de conflitos, e vamos aprendendo com a vida, da forma mais dura e incompreensiva que elas são tão ou mais necessáriasdo que qualquer outra habilidade.

Tudo poderia ser bem diferente se, ao entrar na escola, uma criança pudesse ter acesso ao ensino maciço do comportamento socialbásico, como pedir ajuda ao colega, esperar a vez de falar e ouvir atentamente. Podem parecer atitudes simples, mas para uma criança, não é. Crianças em fase escolar inicial são egocêntricas e se não as ensinamos como desenvolver essas competências, corremos um sério risco de que sejam adolescentes, jovens e, posteriormente, adultos individualistas em uma sociedade onde o comum a todos se faz cada vez mais necessário. Um exemplo básico da falta de habilidades sociais está em filas ou em ônibus, onde jovens e adultos não respeitam a prioridade de idosos e grávidas. Seriam esses indivíduos tão culpados por não respeitar a lei do bom senso? Provavelmente, não! Não lhes foram ensinadas algumas regras básicas de convívio e ele, duramente, terá que aprender com a vida.

Pois bem, o que deve ser feito, então? A resposta é bem clara: crianças devem aprender habilidades sociais, não como uma nova disciplina na escola, mas sim com a oportunidade de conviver com seus colegas. Hoje estamos tomados, desde a pequena infância, aos smartphones, tablets, notebooks e outros aparelhos tecnológicos e deixamos a interação com seres humanos em segundo plano. Mas essa interação humana é a responsável pela produção de habilidades sociais muito primárias. Crianças devem brincar com crianças e não somente com aparelhos. O uso da tecnologia é essencial e devemos desenvolvê-lo, porém, ser habilidoso socialmente se faz essencial. E podemos começar com simples gestos:

• Lembram-se das palavrinhas mágicas aprendidas na escola? Pois é, elas ainda existem e devem ser ensinadas em casa, quando surgem as primeiras palavras.

• Ensinar a brincar com os colegas e dividir o lanche também são partes importantes da educação.

• Uma criança assimila muito mais por modelação, imitação. Seja o adulto exemplo para a criança! Seja o guia para que essa criança tenha um referencial e possa desenvolver as habilidades sociais.

• Promova conversas enriquecidas com as crianças, propondo descobertas e desafios para elas.

• Estimule as brincadeiras onde a criança pode ser o líder, mas também o liderado, e após a brincadeira, explique a ela a importância de cada um dos papéis.

• Recompense com afeto: abrace, elogie.

Enquanto educadores e pais de alunos, podemos conversar, interagir, fazer com que as crianças participem de conversas sabendo sua vez de ouvir e falar, respeitando a opinião dos colegas e colocando suas opiniões de maneira assertiva. Essas rodas de conversa devem acontecer na escola, principalmente, visto que esse é o primeiro ambiente social do aluno. E para que rodas de conversa aconteçam precisamos apenas de um assunto interessante e que todos tenham o mesmo direito a falar e ouvir.

O ensino de habilidades sociais deve ser, portanto, na prática, no dia a dia, na reflexão diária. Não se ensina uma criança a agradecer pelo presente antes de ganhá-lo, mas sim ao ganhá-lo. Educar é um ato de amor e decisão. Podemos escolher educar para passar conhecimento simplesmente, ou para passar sabedoria, ensinos que serão necessários por toda a vida. Em qual dessas opções você educaria seu filho?

(*) Gisele Vitório, formada em Gestão em RH e pós-graduanda em Gestão estratégica de pessoas e psicologia organizacional. Atua como formadora da Aprendizagem Sistêmica na Planeta educação, empresa do grupo Vitae Brasil.

Automação não é só para call center
A automação de atividades tem sido bastante discutida nas empresas e na imprensa, mas por um viés “negativo”: a substituição dos homens pelas máquina...
Por onde começar quando se deseja mudar de carreira
Quero mudar de carreira, como escolho? Essa pergunta é mais comum do que imaginamos. Eu mesmo já passei por isto mais de uma vez, seja por não estar ...
De que maneira o setor de energia elétrica no Brasil sairá afetado pela crise?
Após uma seca severa que atingiu a geração de energia hidrelétrica e que forçou o País a recorrer para fontes de energia térmica, as chuvas voltaram ...
A tarefa da comunicação é urgente para a área de CT&I
Pesquisadores e professores da universidade brasileira sempre tiveram, de forma institucional, o compromisso de explicar à sociedade os resultados do...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions