ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  12    CAMPO GRANDE 11º

Artigos

O narcisismo e seus impactos nocivos nas relações interpessoais

Por Cristiane Lang (*) | 14/06/2024 09:00

O narcisismo é uma característica de personalidade que envolve um senso inflado de importância própria, uma necessidade constante de admiração e uma falta de empatia pelos outros. Embora todos possam exibir traços narcisistas em algum grau, o Transtorno de Personalidade Narcisista (TPN) é uma condição mais severa, frequentemente resultando em comportamentos prejudiciais para aqueles ao redor do narcisista. Este artigo explora os efeitos negativos que pessoas narcisistas podem ter sobre outras, abordando as dinâmicas interpessoais e os danos psicológicos

Compreendendo o Narcisismo:

O termo "narcisismo" deriva da mitologia grega, onde Narciso era um jovem tão obcecado com sua própria beleza que se apaixonou pelo próprio reflexo. Psicologicamente, o narcisismo é caracterizado por:

⁃ Grandeza: Uma percepção inflada de importância e habilidades.

⁃ Necessidade de Admiração: Um desejo incessante de ser admirado e reconhecido.

⁃ Falta de Empatia: Dificuldade em compreender ou valorizar os sentimentos e necessidades dos outros.

Os malefícios do narcisismo nas relações:

Pessoas narcisistas podem causar sérios danos emocionais e psicológicos às suas vítimas, tais como:

Manipulação e Controle: Narcisistas frequentemente utilizam táticas manipulativas para controlar e dominar aqueles ao seu redor. Isso pode incluir gaslighting, onde a vítima é levada a duvidar de sua própria percepção e sanidade.

Abuso Emocional: Narcisistas podem ser extremamente críticos, desvalorizando e humilhando suas vítimas para manter um senso de superioridade. Esse abuso pode levar a uma baixa autoestima e ansiedade na vítima.

Falta de Empatia: A incapacidade de se importar genuinamente com os sentimentos dos outros significa que os narcisistas muitas vezes ignoram ou minimizam as necessidades e desejos dos outros, causando sofrimento emocional.

Exploração: Relacionamentos com narcisistas muitas vezes envolvem exploração, onde o narcisista se aproveita das qualidades, habilidades ou recursos dos outros sem reciprocidade.

Isolamento Social: Narcisistas podem isolar suas vítimas de amigos e familiares, tornando-as dependentes do narcisista e enfraquecendo suas redes de apoio.

Os impactos de estar em um relacionamento com um narcisista podem ser profundos e duradouros, causando transtornos de ansiedade e depressão, pois o abuso contínuo e a manipulação podem levar a sérios problemas de saúde mental, incluindo pensamentos suicidas.

As vítimas frequentemente internalizam as críticas e desvalorizações, resultando em uma autoimagem negativa e falta de confiança.

Em casos de abuso severo, vítimas podem desenvolver Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), enfrentando flashbacks, ansiedade intensa e evasão de situações que lembram o abuso.

Superando o Abuso Narcisista:

Recuperar-se de um relacionamento com um narcisista requer tempo, apoio e, muitas vezes, intervenção profissional. Algumas etapas importantes incluem:

1.Reconhecer o Abuso: O primeiro passo é reconhecer que o comportamento do narcisista é abusivo e injusto.

2. Buscar Apoio: Redes de apoio, como amigos, familiares e grupos de apoio, são cruciais. Terapia profissional também é essencial para lidar com os traumas.

3. Estabelecer Limites: Aprender a estabelecer e manter limites saudáveis pode ajudar a proteger-se de futuros abusos.

4. Focar no Autocuidado: Práticas de autocuidado, como exercícios físicos, hobbies e atividades relaxantes, podem ajudar a reconstruir a autoestima e o bem-estar emocional.

Pessoas narcisistas podem causar danos significativos às vidas daqueles ao seu redor, manipulando, explorando e abusando emocionalmente suas vítimas. Reconhecer os sinais de narcisismo e entender seus impactos é crucial para proteger-se e apoiar aqueles que podem estar sofrendo em relacionamentos com narcisistas.

A recuperação é possível, mas requer um compromisso com a cura e a busca de apoio adequado. E lembre-se: isso pode acontecer em qualquer tipo de relacionamento, até mesmo dentro do próprio ambiente familiar.

(*) Cristiane Lang é psicóloga clínica.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do portal. A publicação tem como propósito estimular o debate e provocar a reflexão sobre os problemas brasileiros.

Nos siga no Google Notícias