A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

21/03/2014 14:31

O produtor rural e o preço da indiferença e alienação política

Por Pedro Pedrossian Filho (*)

O desinteresse da maioria dos produtores rurais pelos assuntos políticos é um dos maiores problemas a serem enfrentados na atual conjuntura. As ações do MST patrocinadas pela Casa Civil, as constantes invasões promovidas pela Funai, Cimi e ministérios, assim como os Quilombolas, são exemplos das penosas conseqüências sofridas pela classe.

Além daqueles que não participam por desconhecerem o seu papel no processo político atual, há ainda os indiferentes conscientes, os que compreendem a gravidade da situação mas não tomam partido, encarando a política com descrença e negligenciando seu próprio destino.

Em ambos os casos, a indiferença e a conseqüente passividade desempenham um papel desagregador na política rural e condicionalmente pagamos um alto preço pela inércia e alienação. Os produtores preocupam-se egoisticamente com suas vidas e, delegam as decisões políticas a despreparados que nos condenam com seus discursos demagógicos. Da indiferença política nascem as interpretações teatrais que há anos ludibriam os produtores que de boa-fé se sentem amparados nos sofistas profissionais do congresso nacional. A constatação do descompasso entre o discurso vazio e ineficaz é que ações efetivas não são concretizadas em nossa defesa, mas claramente evidenciadas nas “negociatas” sórdidas firmadas entre os políticos e o governo, banalizada pela mídia comprada, como negociação.

Por que enfrentam o governo quando querem mais um ministério e negligenciam o enfrentamento em prol das demandas como a PEC 215? E o marco temporal? E as decisões ideológicas do judiciário claramente impregnadas acriticamente pelos laudos fraudulentos forjados dos porões do governo que instrumentaliza a Funai? Sem falar no teatro encenado de forma mambembe pelo nosso parlamento em obter respostas aos subsídios declaradamente doados pela casa civil através do BNDS, Petrobrás, CEF, para promover a desordem e violência.

Diante do exposto a classe assisti apatetada o passeio do nosso algoz, travestido de bom moço, criatura gerada pela nossa ignorância e imprudência que incólume atravessa o corredor polonês, sem nenhum arranhão. E o produtor aguarda passivamente a hora de receber o golpe mortal do cutelo do seu carrasco.

(*) Pedro Pedrossian Filho, formado em Filosofia, ex-deputado federal e produtor rural.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...


Excelente exposição de quem sofre na pele os efeitos de uma justiça que evita colocar freios legais nas ações de um executivo ideológico e parcial.
Excelente toque de despertar para os inúmeros produtores rurais acovardados e perdidos nas inúmeras tarefas criadas pelos conflitos...sobreviver, pagar as contas sem suas fontes de renda, continuar levando a vida debaixo de fogo cerrado de funai, mpf, governo federal, justiça federal, ongs, opinião publica......
Não é tarefa para os fracos!
 
Mônica A C C da Silva em 21/03/2014 16:33:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions