A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

22/03/2018 13:24

O TST e o aeroporto

Por Valdemir Pires (*)

O recente confronto verbal entre dois ministros do Supremo Tribunal Federal foi um episódio revelador de desesperadoras debilidades pessoais e organizacionais/institucionais que, retroalimentando-se, provocam ou amplificam adoecimentos e crises políticas; destroem pessoas, organizações e instituições; podem afundar uma Nação.

Uma rápida salada mista epistemológica e metodológica, academicamente inconcebível, mas útil à argumentação frente ao caso, remete a duas obras que lidam, cada qual no seu campo e a seu modo, com os ingredientes em jogo, no Brasil, desde o início da ladeira (desde meados do primeiro governo Dilma, aproximadamente).

A primeira obra, "Inteligência Emocional", de Daniel Goleman": um best-seller popular, que define essa característica psicológica como a capacidade de interação com o outro, conhecendo e levando em conta as emoções de ambos os lados. A falta ou insuficiência dessa habilidade é típica do indivíduo incapaz de relacionamentos construtivos ou pró-ativos, que termina sendo, em certas circunstâncias, "...uma pessoa horrível, uma mistura do mal com atraso e pitadas de psicopatia", que tem a su mesmo em alta estima e encara os demais como inferiores.

Pessoas assim esculhambam reuniões, obstruem encaminhamentos, empatam o tempo alheio, dificultam decisões, boicotam ações, não aceitam o contraditório, são incapazes de conviver com o diferente, pensam linearmente e a partir de racionalizações fragmentadas, urdidas conforme a conveniência de cada momento -- são, enfim, incoerentes, sem se dar conta, já que seu modo de pensar e sentir não inclui a necessidade de dar satisfação aos outros. Essas pessoas destroem a própria família, círculos de amizade, organizações e instituições, se não forem contidas (ou curadas, na linha de Goleman).

O grande nó é que as organizações e instituições normalmente não dispõe de mecanismos de defesa contra esse tipo de agente, principalmente se ekes ocupam posições superiores e estratégicas, que galgam com relativa facilidade.

Contextos de crise ampliam o contingente desses seres humanos distorcidos, contaminando cada vez mais os espaços de ação e decisão coletivas e a política.

Em tribunais, legislativos e universidades, onde juízes e desembargadores, parlamentares e professores/pesquisadores atuam tendo por principal (quando não única) referência a própria consciência, esses atores provocam estragos profundos, no local de atuação e na saúde psicológica dos que com eles convivem.

Num salto do individual para o coletivo, a outra obra: "Comunidade e Democracia", de Robert Putnam, onde é concebido o conceito de capital social, referindo-se a características qualitativas que permeiam as relações entre os agentes e instituições políticas e econômicas, que aumentam ou diminuem a capacidade de promover o crescimento e o desenvolvimento econômico. Essas características, segundo o autor, têm efeito semelhante ao dos investimentos de capital físico e financeiro: ampliam a produtividade e a geração de riqueza das regiões que as possuem (como o Norte da Itália, ao contrário do Sul, nas pesquisas que deram base às formulações bde Putnam). Valores (republicanos, democráticos etc.), respeito a acordos e pactos, consciência cívica são ingredientes do capital social de uma comunidade, construções históricas, ao longo das quais assume grande importância a confiança entre governantes e governados para uma sociedade com maior performance econômica; na qual menor é o volume de contendas, resolvidas, civilizadamente, com menor esforço.

Juntando Goleman e Putnam, a visão da salada mista nacional, em vias de apodrecimento: Brasil, 2013-2018 - instituições e relações políticas com baixíssimo e declinante capital social (desconfiança nos três poderes, mídias manipuladoras, corrupção escancarada, maracutaias de todo tipo -- o próprio inferno da desconfiança e deslealdade); e indivíduos com inteligência emocional negativa no poder, em espaços públicos e privados, incentivados pela mesma subespécie berrando nas ruas e, agora, espancando e matando os que têm ideias e posicionamentos diferentes.

Difícil não dizer que a saída é o aeroporto. Bem, antes que também esses equipamentos entrem em colapso.

Como lutar contra esse caos desintegrador? Em que medida ele já tomou conta da juventude, lastro para o futuro?

(*) Valdemir Pires, professor e pesquisador do Departamento de Administração Pública da Unesp.

Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...
Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions