A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

01/05/2013 11:05

Os 70 anos da CLT

Alan Balaban (*)


O 1º de maio simboliza o dia do trabalho em diversos países e muitas festas e celebrações são feitas ao redor do mundo pelos trabalhadores para comemorar essa data tão importante. No Brasil, além da comemoração costumeira com os “showmicius” das Centrais Sindicais e a união dos trabalhadores pelas ruas festejando essa data, teremos a comemoração do septuagésimo aniversario da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Porém indagamos: temos mesmo o que comemorar?

O dia do trabalho nasce na cidade americana de Chicago em 1886 quando uma grande paralisação tomou conta da zona industrial no 1º de maio daquele ano e diversos trabalhadores foram às ruas exigir a redução da jornada de trabalho diária de 13 para 8 horas.

De forma truculenta a polícia local reprimiu a manifestação e o movimento ganhou força em outras cidades americanas. Esse episódio marca o nascimento do dia do trabalho que é comemorado em 1º de maio.

Assim, os protestos sempre fizeram parte do dia a dia na relação turbulenta entre empregadores e empregados e a legislação – em tese – sempre foi a responsável por tentar apaziguar essa linha tão tênue.

Entretanto, a legislação que tenta apaziguar e colocar uma ordem jurídica no pacto laboral, ao mesmo tempo em que protege uma parte – geralmente o empregado - desprotege a outra – geralmente o empregador - e é essa situação que vive o Brasil desde 1º de maio de 1943 quando simbolicamente no Estádio do Vasco da Gama em São Januário a CLT foi proclamada.

Assim, não resta dúvida que esse Diploma é arcaico, está em pleno desuso e possui preenchimentos por “emendas” em todo o seu texto, o que acaba desvirtuando o seu principal propósito, qual seja, a harmonia na relação empregatícia.

Justificamos nossa posição.

Dizemos que o instrumento é arcaico visto que não temos uma codificação das leis trabalhistas – conforme outros diplomas do nosso ordenamento jurídico tais como o Código Penal, Código Civil, Código Tributário etc. - e sim uma consolidação.

A diferença é gritante visto que no primeiro caso – codificação – o instrumento jurídico é moderno e globaliza o ordenamento legal em um núcleo com uma sequência lógica que deve ser seguida. Já o segundo – consolidação - nada mais é do que a alteração de diversas leis, reunidas em um só texto e sem qualquer lógica ou sequência.

Assim, como podemos conseguir uma harmonia jurídica – na relação empregado/empregador – se a lei trabalhista em vigência não segue uma lógica ou um padrão?

O desuso da lei celetista também é claro. É de se notar que nos últimos anos o Tribunal Superior do Trabalho (TST) tem proferido decisões sumulares que muitas vezes substituem a lei em vigência, visto que essa é antiga e não consegue acompanhar o moderno direito do trabalho e as novas relações entre empregados e empregadores.

Esse ponto é de extrema importância e de grande preocupação. Em hipótese alguma o Poder Judiciário pode legislar e se analisarmos as súmulas – e até mesmo as orientações jurisprudenciais – iremos verificar que o Tribunal Superior do Trabalho esta legislando.

E ainda temos as emendas no corpo da CLT que parecem “remendos de obras mal feitos” que poluem o texto e muitas vezes deixam a lei redundante ou incompreensiva.

Dessa forma, é preciso aposentar a CLT – afinal são 70 anos de trabalho continuo – e criar um novo Diploma – de preferência um Código – incluindo todos os avanços da relação trabalhista [principalmente em face da tecnologia aplicada ao Direito do Trabalho], as novas relações advindas do pacto laboral entre empregados e empregadores e normas processuais mais céleres e com menos interferência do Estado.

Essa é a única forma de avançarmos com a nossa sociedade e termos a certeza que as relações trabalhistas estarão protegidas e resguardadas. Caso contrário, se comemorarmos daqui 70 anos os 140 anos da CLT, certamente teremos uma sociedade retrograda e fadada ao insucesso.

Assim, devemos usar o 1º de maio para repensar a nossa legislação trabalhista e se o caminho que estamos seguindo – e aceitando - está correto. Comemoramos ou nos mobilizamos?

(*) Alan Balaban é advogado trabalhista e sócio da área trabalhista do escritório Braga & Balaban Advogados. É especialista em Direito do trabalho e processo do trabalho.

Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...
OMC: a derrota anunciada
Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede em Genebra, é dirigida pelo diplomata brasileiro R...
Os cuidados que os varejistas devem ter com as novas leis trabalhistas
No próximo mês de novembro entrará em vigor as novas regras trabalhistas. Empresas e trabalhadores de diversos setores, entres eles o varejista, prec...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions