A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

25/11/2013 20:48

Os prazeres e riscos da corrida de rua e o aumento da prática em MS

Roberto R. Cisneros (*)

Um dos esportes que vem somando mais adeptos em Mato Grosso do Sul, a corrida de rua se destaca pela facilidade da prática esportiva, não exigência da presença de grupos, bastando a vontade de correr, um tênis, short e uma camiseta. Porém, essa facilidade também esconde riscos, que devem fazer o corredor iniciante ficar atendo.

A ocorrência de lesões nas fases iniciais da corrida de rua é uma constante. Não são lesões graves, mas, na maioria, lesões de “instalação” lentas, que podem levar um longo período de recuperação quando iniciado o tratamento – que, espera-se, seja realizado.

Os locais mais comuns de lesões em corredores são joelho, pernas, tornozelos, planta do pé, além de lesões menores, como calos, bolhas, e cãibras.

As queixas nos consultórios são das mais variáveis, mas com destaque para dores, crepitações ou mesmo inchaço nos joelhos. Com a experiência de quem conversou e conversa com diversos pacientes adeptos do esporte, uma constatação posso fazer: desperta a atenção a forma como o atleta amador está desenvolvendo o treino.

Evolução muito rápida na frequência ou duração da corrida, distância percorrida cada vez maior, além de alimentação inadequada, são pontos a serem destacados na prática do esporte, em especial para quem nunca havia corrido antes. Podemos somar ainda problemas estruturais das cidades brasileiras, calçadas e terrenos irregulares, dentre outros, acabam por levar o paciente a sentir dores e procurar auxílio médico.

O primeiro ponto para prevenir as lesões é o conhecimento do próprio corpo e limites. As lesões são associadas às características e preparo do atleta. Características como preparação cardiorrespiratória, biomecânica e anatômica, são de fundamental importância, e só podem ser aferidas com acompanhamento especializado.

Fácil, barata e prazerosa. As benesses da prática da corrida de rua são imensas. Mas fica o alerta: para que esse prazer não se torne frustração, o corredor deve “ouvir” os sinais e linguagens do próprio corpo, respeitar seus limites e sempre procurar quem entende do assunto, sejam médicos, fisioterapeutas, corredores profissionais ou preparadores físicos.

(*) Roberto R. Cisneros é médico ortopedista, cirurgião de joelho e traumatologia do esporte

A responsabilidade criminal dos sócios e administradores da empresa
A forte crise econômica tem refletido diretamente na diminuição das vendas pelas empresas. O resultado é a redução da arrecadação e do capital de gir...
A arte de viver em família
Família é algo maravilhosamente complicado. Uma manifestação artística que auxilia a lidar com seus pontos positivos e negativos está no filme romeno...
A importância da atividade física na adolescência
A ciência tem mostrado, há anos, que a prática de atividade física regular é garantia de saúde e, quando praticada desde cedo pelos jovens, pode otim...
O “Lado B” da delação premiada
Embora não seja novo no nosso Direito, é fato que o instituto da “delação premiada” passou a ser muito utilizado somente após a regulamentação que lh...



Corredores profissionais não devem ser consultados. Não tem qualificação para isso. Quem tem formação sobre os princípios do treinamento é o Educador Físico (Bacharel em Educação Física) e de preferência que tenha especialização na área. Um dos principais fatores para evitar as lesões e ter uma prática segura, além do treinamento adequado as condições cardiorrespiratória e biomecânicas é desenvolver um programa bem equilibrado de fortalecimento muscular.
 
Paulo César Sanguina Pinto em 25/11/2013 21:53:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions