A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

13/10/2017 10:21

Outubro Rosa, mês mundial do câncer de mama!

Por Fátima Vogt (*)

O rosa do laço foi usado pela primeira vez na década de 1990 na “corrida pela cura” nos Estados Unidos. Desde 1997, a ideia espalha-se mundo afora como uma “corrente do bem”, na tentativa de melhorar o nível de informação e conscientização das mulheres, e de fomentar políticas públicas para o diagnóstico precoce, tratamento adequado e apoio familiar aos pacientes em tratamento de câncer de mama.

O câncer de mama é responsável pela morte e, muitas vezes, mutilação das mulheres atingidas em todas as faixas etárias, principalmente, entre os 45 e 65 anos. É o câncer que mais mata as mulheres. Pode acometer os homens, com frequência aproximada de 100 mulheres com câncer para um homem.

O número de casos novos esperado para o Brasil é de cerca de 58.000. As regiões do Brasil com maior incidência são Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Nordeste; na região Norte é o segundo tumor mais incidente.

Desde 2000, a Sociedade Brasileira de Mastologia faz campanhas de conscientização da população sobre o câncer de mama e a importância do diagnóstico precoce para diminuir o estigma da doença e aumentar a auto-estima.

Essas ações contam com o apoio da imprensa, do governo e principalmente de organizações não governamentais e grupos organizados de voluntários. Mulheres que tiveram câncer de mama expõem sua vida em benefício das outras.

Um gesto belo e nobre! O objetivo de todos é compartilhar informações sobre o câncer de mama, promover a conscientização sobre a doença, proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

O tratamento pode variar desde uma simples remoção do tumor até a tão temida cirurgia de retirada total das mamas. A cirurgia de reconstrução é um direito e deve ser ofertada nos casos indicados e no tempo adequado.

Desde então, o que mudou? As mulheres ficaram mais atentas e informadas? Ainda não o tanto que gostaríamos. Infelizmente não há o que comemorar, pois o acesso ao tratamento no tempo adequado ainda está restrito, inadequado e longe do ideal!

O que devemos enfatizar?

O fortalecimento das recomendações do Ministério da Saúde para o rastreamento e o diagnóstico precoce do câncer de mama, divulgar a importância do direito a realizar a mamografia de rastreamento da população feminina que não tem risco aumentado para câncer de mama, dos 50 aos 69 anos, pelo menos a cada dois anos, gratuitamente pelo SUS; mulheres com risco familiar ou genético devem ser investigadas mais precocemente a critério do médico mastologista.

(*) Maria de Fátima Brito Vogt é professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília. Graduada em Medicina pela UnB e doutora pela Universität Düsseldorf da Alemanha.

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions