A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

04/04/2017 08:55

Pai nosso

Por Heitor Freire (*)

Dentre tantos sábios e eternos ensinamentos que Jesus nos deixou, a forma mais apropriada para orar, o Pai Nosso, é sem dúvida dos mais significativos. Ele conseguiu, com sua sabedoria natural, sintetizar em poucas palavras nessa oração um conjunto de situações que orienta a devoção dos cristãos.

E como toda orientação geral, acaba gerando ao longo do tempo, discussões as mais variadas.
Não é diferente com o Pai Nosso. Começa com a sua origem: em Mateus (6, 9-13) e Lucas (11,2-4). Mateus coloca o Pai Nosso no Sermão da Montanha, o maior e mais importante discurso da humanidade. Lucas, no longo percurso da caminhada de Jesus rumo a Jerusalém, pois entendia que o homem deve aprender a rezar enquanto vai pelas estradas da vida, a fim de vivenciar a contínua e indispensável união com Deus.

O que, de qualquer maneira, resulta claro é que Ele ensinou a oração primeiramente a seus apóstolos. Segundo São Lucas, Jesus ensinou esta oração a seus discípulos, privadamente, num dia em que estava rezando sozinho num lugar afastado. Ao terminar sua oração, atendendo ao pedido dos apóstolos, Jesus lhes falou: “quando vocês rezarem, digam assim”. E lhes ensinou as palavras do Pai-Nosso (11, 2-4).

Mateus e Lucas colocaram a oração onde, a seu critério, ficava melhor, segundo sua própria teologia. O emprego da primeira pessoa do plural dá um caráter comunitário à oração: "E perdoa-nos as nossas dívidas como também nós perdoamos aos nossos devedores."

A diferença entre as duas versões se dá exatamente no trecho acima. Mateus usa a versão acima. Lucas: “Perdoa os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos aqueles que nos devem”.
Já a Bíblia do Peregrino, traduz essa frase como: "Perdoa nossas ofensas como também nós perdoamos aos que nos ofendem".

O Catecismo aprovado pelo episcopado brasileiro em 1903 usava, no Pai-Nosso, a fórmula "perdoai-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores", Na realidade, a fórmula é a usada por Mateus e é a mais antiga, e possivelmente já estava em uso desde os primórdios da colonização.

Já a nova versão do Pai-Nosso, adotada no fim da década de 60, emprega, em lugar da expressão "nossas dívidas", as palavras "nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido". Baseada então na versão de Lucas.

Dando meu pitaco, penso que a redação de Lucas ficaria melhor assim: “Perdoai nossas ofensas, assim como nós perdoamos a nossos ofensores”.

Essa discussão da forma não invalida, naturalmente, a importância e o significado da oração que se constituiu na mais importante oração da cristandade.

O Pai nosso foi fundamental na separação do cristianismo nascente do judaísmo. Ao separar-se do judaísmo, o cristianismo teve que ir adquirindo uma identidade própria e a principal separação da espiritualidade judaica era a oração. O cristianismo teria que buscar sua própria oração, para não ser considerado uma seita do judaísmo. O Pai nosso passaria a ser a principal separação que diferenciaria o povo "novo" do "velho" neste ponto da história. A diferença não estava muito clara, entre os judeus e os primeiros seguidores do cristianismo.

Na oração o homem se volta para Deus, reconhecendo-o como único absoluto, e reconhecendo a si mesmo como criatura dele.

Enfim, o fundamental é que devemos todos orar conscientemente.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions