A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

15/05/2014 18:00

Por que falta água em São Paulo?

Por Semy Ferraz (*)

Com muito comedimento, a imprensa nacional vem mostrando a fragilidade do governo paulista na gestão da água tratada, um dos maiores bens que a humanidade dispõe para sobreviver. O baixo nível dos reservatórios das represas para o abastecimento de água para consumo domiciliar, comercial e industrial em São Paulo tem sido a tônica, generosa aliás, da mídia neste ano de embate político-eleitoral.

Mas, em sã consciência, como a população do estado mais rico do país e a da maior metrópole brasileira podem ficar à mercê do volume de chuvas precipitadas na região, como no tempo dos barões do café? É como se quiséssemos atribuir a São Pedro toda a responsabilidade sobre nossos recursos hídricos, em pleno século XXI...

Longe de cairmos na tentação de simplificar uma questão relevante e complexa como a dos sistemas de saneamento – diga-se de passagem, tão bem desenvolvidos no Brasil nas últimas décadas, mais por mérito dos técnicos das empresas estatais de saneamento que por iniciativa dos governantes –, inegavelmente a falta de planejamento levou ao estrangulamento da capacidade de captação, tratamento e distribuição – enfim, gestão – das águas potáveis no estado de São Paulo. E aí é desnecessário dizer que, legal e moralmente, cabe ao governo estadual tal responsabilidade.

Sem planejamento não há nem pode haver investimentos num setor complexo e rigorosamente técnico como é o de saneamento. E o que se vê hoje, a exemplo do ocorrido em nível federal entre 2001 e 2002 no setor energético, é o risco iminente de “apagões” (termo surgido no fim da era FHC para designar as interrupções programadas, que acabaram inevitáveis, por conta da má gestão energética de então, tamanha a sanha tucana pelo “Estado mínimo” e o destrato com os serviços públicos, que na ocasião eram tratadas como mercadorias e objeto das privatizações obsessivas).

É unânime entre os cientistas que atuam nessa área que São Paulo dedica à gestão da água a mesma lógica dos romanos, 2.000 anos atrás: para “resolver” a falta de água, traz-se de mais longe, o que encarece e não resolve a fundo essa delicada e vital questão, de interesse de todos os cidadãos. Em vez de “tapar o sol com a peneira”, é preciso acabar com a perda abismal de água tratada na distribuição – segundo o SNIS (Sistema Nacional de Informação dos Sistemas de Saneamento, do Ministério das Cidades), a operadora paulista é detentora de uma média absurda de perda de 36,22% de água tratada na capital paulista (pior que muitos estados menores, inclusive o nosso), quando o índice preconizado pelos organismos internacionais é de, no máximo, 10% de perda.

Curiosamente, quando o Governo Federal abre como nunca, desde 2005, linhas de financiamento de obras de infraestrutura (como, aliás, é o saneamento), por meio do tão injustiçado PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), os diferentes governadores paulistas que se sucederam, todos do PSDB, não deram a devida importância aos constantes alertas não só dos competentes técnicos da Sabesp (operadora paulista de saneamento) como da comunidade científica.

Voz corrente, entre os gabaritados técnicos e pesquisadores de centros de excelência, é que, além da urgente adoção de medidas efetivas de redução de perdas da água tratada com a adoção de novas tecnologias atualmente disponíveis, sejam criados mecanismos de estímulo ao consumo responsável de água pela população (inclusive por meio da educação ambiental). Ainda mais: troca de dutos com mais de duas décadas de uso, apesar dos transtornos causados à circulação dos moradores dos centros metropolitanos, e a implantação de um efetivo sistema de detecção de vazamentos subterrâneos, com a aplicação de multas ao desperdício irresponsável e adoção de taxas desconto de incentivo ao consumo racional do líquido precioso.

O senso comum ensina que a água é vital para todos os seres vivos, mas a dura realidade nos impele a dar o necessário e inadiável tratamento a quem comete o desperdício criminoso, seja o governante demagogo e irresponsável ou o cidadão inconsciente da gravidade do momento. Porque investir em medidas efetivas, ainda que muitas vezes impopulares, é obrigação do gestor público, quando verdadeiramente comprometido com o interesse coletivo.

(*) Semy Alves Ferraz é engenheiro civil e secretário de Infraestrutura, Habitação e Transporte de Campo Grande.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions