A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

10/06/2011 10:57

Português é a oitava língua mais falada no mundo

Por Stella Maris Bortoni-Ricardo (*)

Comemora-se neste 10 de junho o Dia Nacional da Língua Portuguesa, língua oficial do Brasil e de sete outros países. Estima-se que seja falada por 230 milhões de pessoas, nos cinco continentes, em territórios que somados perfazem 10.074.000 m². Tudo isso faz da Língua Portuguesa a oitava mais falada no mundo e a terceira com maior número de usuários no Ocidente. A nós interessa saber também que, em cada quatro falantes de Português no mundo, três são brasileiros.

De fato, entre os países lusófonos que constituem a CPLP, somente em Portugal e no Brasil, o Português, além de ser língua oficial, é também língua materna de quase a totalidade da população. Portugal conferiu status de língua oficial também ao Mirandês; no Brasil o Português é a única língua oficial, mas existem cerca de 180 línguas minoritárias, as das nações indígenas; as preservadas em áreas de imigração ocorrida a partir do século XIX e duas línguas de sinais.

Pode-se considerar a Língua Portuguesa como o maior patrimônio de nossa constituição como nação. Durante os dois primeiros séculos da colonização, o Português, que se expandiu gradualmente, à medida que aumentava o número de colonizadores lusitanos, conviveu com línguas nativas e línguas africanas. Marcas desse multilinguismo são encontradas na redução flexional dos sistemas nominal e verbal das variedades populares no Brasil. Alguns pesquisadores atribuem nosso extensivo monolinguismo a um processo glotofágico, paralelo ao etnocídio de nossa população aborígine e da atenta política linguística da corte portuguesa. Não se pode perder de vista esses fatos históricos.

A Língua Portuguesa deve ser objeto de nosso apreço e de nosso orgulho. No entanto, para celebrar o seu dia, optei por trazer à consideração alguns dados preocupantes sobre o Português, a começar pelo fato de que o mundo da lusofonia é também um mundo de analfabetismo, que vou ilustrar somente com dados brasileiros.

O Censo de 2010 indicou que 9,6% dos brasileiros são analfabetos absolutos e o Quinto Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional – INAF –, divulgado em setembro de 2005, mostrou que só 26% da população brasileira, na faixa de 15 a 64 anos de idade, são pessoas plenamente alfabetizadas (www.ipm.org.br). Isso se reflete na pouca presença do Português na web. Há seis mil línguas no mundo e somente 12 delas são usadas em 98% das páginas na internet, sendo que o Inglês é empregado em 72% do total dessas páginas.

Outro dado importante diz respeito aos hábitos de leitura no Brasil. Segundo a Câmara Brasileira do Livro – CBL –, em estudo de 2008, somente 13,6% da população brasileira lê pelo menos três livros por ano. Cada brasileiro lê, em média, 1,8 livro/ano, em oposição aos EUA (cinco livros per capita) e à Europa (entre cinco a oito livros lidos por habitante).

A promoção da leitura é uma política pública importante, assim como o aperfeiçoamento da educação de jovens e adultos, EJA. Apesar dos investimentos nesse setor, os resultados não têm sido animadores. Uma boa iniciativa governamental visando ao incremento da leitura e da escrita no Brasil poderia ser a criação do sonhado Instituto Machado de Assis, nos moldes dos Institutos Camões, Cervantes, Goethe e outros, que são propulsores da educação linguística e da cultura literária em seus respectivos países.

Que a celebração da Língua Portuguesa no seu dia possa promover uma reflexão ampla e séria sobre os fatos sombrios do analfabetismo nas comunidades de Língua Portuguesa.

(*) Stella Maris Bortoni de Figueiredo Ricardo é professora titular de Lingüística aposentada da UnB. Atualmente atua como docente e pesquisadora e como orientadora do Doutorado em Lingüística, na Faculdade de Educação da mesma universidade. Tem graduação em Letras Português e Inglês, tendo cursado o primeiro ano no Lake Erie College, em Ohio, US; mestrado em Lingüística pela Universidade de Brasília e doutorado em Lingüística pela Universidade de Lancaster, Inglaterra. Atua principalmente nos temas: formação de professores, educação em língua materna, letramento, alfabetização e etnografia de sala de aula.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions