A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

05/06/2014 10:00

Problema anual do material escolar prejudica alunos e o País

Por Rubens Passos (*)

Até meados de abril, já num momento avançado do ano letivo, ainda havia prefeituras que não tinham entregue a totalidade dos materiais escolares aos alunos da rede municipal. Além do atraso e de produtos com erros, como réguas com a falta de números e livros com grafias erradas de estados brasileiros, denúncias de equívocos e corrupção nos processos licitatórios foram amplamente divulgadas pela mídia.

“A Tribuna”, de Santos, noticiou que o Ministério Público do Estado de São Paulo passou a investigar um cartel nas concorrências relativas ao material escolar, que atuaria nos municípios de Guarujá, Bertioga, Ibitinga, Osasco, Paranaguá, Jaguariúna, Itapevi, Sumaré, Vinhedo, Itupeva e Registro. Segundo matéria de “O Vale”, de São José dos Campos, materiais comprados no varejo estavam mais baratos do que os valores constantes do kit escolar da prefeitura. O “Bom Dia, São Paulo”, da TV Globo, veiculou matérias mostrando que problema semelhante, segundo o Tribunal de Contas do Estado, ocorreu em Barueri, onde também houve atraso na entrega dos materiais aos alunos, assim como em Guarulhos, São Caetano do Sul e Itapecerica da Serra.

Tais problemas repetem-se a cada ano, comprometendo as metas de qualidade do ensino, uma prioridade nacional. Ante essa triste realidade, que afeta justamente os alunos dependentes do Estado para terem seu kit pedagógico, é muito pertinente o Projeto de Lei 122/2013, de autoria da senadora Lucia Vânia (PSDB/GO), que estabelece a transferência direta de recursos aos beneficiários do Programa Bolsa Família para a aquisição de material escolar.
Com isso, os estudantes não mais dependerão dos resultados das licitações, da pontualidade da entrega massiva dos produtos e complexa distribuição por parte das prefeituras para ter seus cadernos, lápis, canetas, borrachas, réguas, mochilas, compassos, apontadores e outros itens. Bastará ir a uma papelaria de sua própria cidade e adquirir os produtos, como todo cidadão.

O sucesso desse modelo é mais do que comprovado no Distrito Federal e em vários municípios que já substituíram as anacrônicas licitações, sempre permeadas de suspeitas, pelo Cartão Material Escolar. Este permite que o aluno adquira produtos de sua escolha, valorizando sua identidade, e estimula o comércio local, à medida que revitaliza as pequenas e médias papelarias e evita atrasos na entrega.

Assim, a aprovação do PLS 122 - Cartão Material Escolar fomentaria a economia local de milhares de municípios brasileiros, gerando novos empregos. Também contribuiria para aumentar a autoestima e rendimento escolar dos alunos pela escolha de seu próprio material, além de minimizar velhos e recorrentes problemas relacionados às licitações. Seria importante, dessa maneira, como mais um fator de inclusão social dos beneficiários do Bolsa Família.
A aprovação do projeto também seria um bom exemplo para que governos estaduais e prefeituras adotassem o Cartão Material Escolar. Tal avanço colocaria um fim nessa novela de mau gosto com a qual nos deparamos todo ano nos noticiários de televisão, rádio, jornal e revista, sobre fraudes nas licitações, atrasos na entrega e erros nos livros e outros produtos.

Nosso país apresenta o pior retorno de impostos para a população, de acordo com recente levantamento do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), que mostra a baixa qualidade do gasto público. A pesquisa levou em conta o PIB e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 30 nações. Poderíamos começar a inverter essa desconfortável posição aperfeiçoando os investimentos da receita fiscal na compra do material escolar. Afinal, qualidade do ensino é decisiva para que as novas gerações possam vencer a corrupção e outros problemas incompatíveis com os nossos propósitos de desenvolvimento.

(*) Rubens Passos é presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (ABFIAE).

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions