A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

26/08/2011 10:47

Punição: entrou por um ouvido, saiu pelo outro

Por Pedro Paulo Lima de Andrade (*)

A disciplina, como metodologia educacional, é uma das principais ferramentas na qual a pedagogia se utiliza para manter o “bom andamento” das aulas. Como educadores, oferecemos recompensas e punições para selecionar bons comportamentos e eliminar os indesejados, contudo as práticas desses mecanismos de controle já não possuem muita eficácia no ensino médio.

Nessa nova etapa da vida escolar, as crianças tornam-se adolescentes e com isso, surge também uma maior força de resistência aos modelos tradicionais de controle e disciplina.

Os motivadores extrínsecos são difíceis de serem descartados não apenas porque muitos professores não sabem o que fazer sem eles, mas também porque geralmente conseguem a realização da atividade desejada. Outra razão na qual se adota a orientação extrínseca é a aceitação da idéia de que, fazendo-se alguma coisa sobre o problema, significa fazer algo para os adolescentes.

Em sua maioria, os professores elegem as punições como principal meio de controle, porém segundo Kamii (1990) as punições levam a três possíveis resultados: “calculo de riscos”, no qual os adolescentes gastam seu tempo calculando se conseguiriam fazer algo impunemente, “conformismo cego” no qual os professores não conseguem ensinar a tomada responsável de decisões e a revolta.

Skinner, grande psicólogo americano da Psicologia comportamental, sustenta a tese de que, ao se punir alguém, procura-se tão-somente ensinar o que esta pessoa não deve fazer e provê-la de uma orientação insuficiente sobre aquilo que deveria ter feito. A punição nem sequer ensina o que não fazer muito menos a razão para fazê-lo, o que ela ensina na verdade, é o desejo de evitar a punição.

Sob a premissa “E se vocês forem bons...” nossas recompensas e elogios fazem do educar algo menos autoritário e punitivo, porém as recompensas também punem, elas não fazem adolescentes nem um pouco mais autônomos que as punições.

As recompensas rompem relacionamentos. Elas abrem uma enorme brecha entre educadores e alunos, definidos a partir delas como recompensadores e recompensados. Além disso, as recompensas ignoram razões e reduzem o desejo da criança para atuar de maneira particular.

Os valores verdadeiros e intrínsecos tem que se desenvolver de dentro para fora. Elogios e castigos podem mudar o comportamento, mas não podem mudar a pessoa que se compromete com o mesmo. Não devemos dar recompensas para adolescentes por terem realizado algo, mas oferece-lhes sempre uma razão para continuar a agir dessa forma.

(*) Pedro Paulo Lima de Andrade é aluno graduando do 4º período do curso de Psicologia da instituição Facex - Faculdade de Ciências, Cultura e Extensão do RN.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions