A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Setembro de 2017

02/06/2016 08:27

Quem tem medo do Escola sem Partido?

Por Miguel Nagib (*)

Adversários do projeto de lei Escola sem Partido, aprovado pela Câmara Municipal de Campo Grande e vetado pelo Prefeito Alcides Bernal, vêm utilizando para atacá-lo a estratégia conhecida na retórica como “falácia do espantalho”. Trata-se de falsear intencionalmente o argumento do oponente para facilitar sua refutação diante do público desinformado que assiste à discussão.

É o que faz o Sr. Roberto Botareli, em artigo intitulado “Todos contra a lei da mordaça no ensino público”, publicado em 31/05 pelo Campo Grande News. Segundo o presidente da Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul, se o veto do prefeito for derrubado, o professor não poderá falar de política em sala de aula; não poderá falar sobre assuntos como o caso do estupro coletivo ocorrido no Rio de Janeiro; e não poderá sequer ensinar aos alunos o que diz a Constituição Federal sobre liberdade de crença e laicidade do Estado.

Bem, só há uma forma de desmentir essas afirmações: mostrar o que diz o projeto aprovado pela Câmara.

A norma mais importante da Lei 8.242/16 (clique aqui para conferir – link abaixo) obriga as escolas municipais a afixar em todas as salas de aula do ensino fundamental e médio um cartaz com os seguintes Deveres do Professor:

1 - o professor não se aproveitará da audiência cativa dos alunos, com o objetivo de cooptá-los para esta ou aquela corrente política, ideológica ou partidária;
2 - o professor não favorecerá nem prejudicará os alunos em razão de suas convicções políticas, ideológicas, morais ou religiosas, ou da falta delas;
3 - o professor não fará propaganda político-partidária em sala de aula nem incitará seus alunos a participar de manifestações, atos públicos e passeatas;
4 - ao tratar de questões políticas, sócio-culturais e econômicas, o professor apresentará aos alunos, de forma justa – isto é, com a mesma profundidade e seriedade –, as principais versões, teorias, opiniões e perspectivas concorrentes a respeito da matéria;
5 - o professor respeitará o direito dos pais a que seus filhos recebam a educação religiosa e moral que esteja de acordo com suas próprias convicções;
6 - o professor não permitirá que os direitos assegurados nos itens anteriores sejam violados pela ação de terceiros, dentro da sala de aula.

Além disso, a temida “lei da mordaça” estabelece, para a tranquilidade das famílias de Campo Grande, que “o Poder Público não se imiscuirá na orientação sexual dos alunos nem permitirá qualquer prática capaz de comprometer, precipitar ou direcionar o natural amadurecimento e desenvolvimento de sua personalidade, em harmonia com a respectiva identidade biológica de sexo, sendo vedada, especialmente, a aplicação dos postulados da teoria ou ideologia de gênero.”

E isso é tudo. Ora, onde é que está escrito que o professor não poderá falar de política? Não está. Onde é que está escrito que o professor não poderá falar de questões sociais como a violência contra a mulher? Não está. Onde é que está escrito que o professor não poderá falar sobre liberdade de crença e laicidade do Estado?
Nada disso decorre do texto da lei: foi inventado pelo Sr. Roberto Botareli com o objetivo de difamar o projeto Escola sem Partido perante a opinião pública. É o espantalho da falácia.

E por que ele fez isso? Porque não tem argumentos contra a lei; porque não pode negar a existência dos Deveres do Professor, nem tem coragem de confessar o seu medo de que os estudantes os conheçam.

Sim, é apenas disso que se trata: de fazer com que os estudantes sejam informados sobre o direito que eles têm de não ser doutrinados por seus professores. E é isso o que está tirando o sono do Sr. Roberto Botareli e dos professores que usam os seus cargos para fins políticos e partidários.

Nos próximos dias, os vereadores de Campo Grande terão de decidir sobre o veto do prefeito Bernal à Lei8.242/16. Terão de escolher se ficarão ao lado dos alunos e suas famílias; ou do Sr. Roberto Botareli e seus companheiros de insônia.

(*) Miguel Nagib é advogado e coordenador do Movimento Escola sem Partido

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions