A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

22/04/2015 11:11

Reflita sobre a infelicidade no trabalho

Por Dominique Magalhães (*)

No próximo mês, é celebrado o Dia do Trabalho, tarefa essa que desde os primórdios nos fornece o sustento material e a possibilidade de conquistar o sucesso. Todavia, nem todos consideram essa data uma ocasião para comemorar. A insatisfação, a frustração e a infelicidade muitas vezes tomam conta do ambiente onde passamos a boa parte do nosso tempo, causando sérios problemas ao corpo e principalmente à alma.

A lista de fatores que pode causar esse mal estar na área profissional é imensa! Acredito que o pior motivo seja o fato de não estarmos na profissão correta. Não ter afinidade com aquilo que se realiza todos os dias leva milhares de pessoas ao sofrimento. Muitos profissionais entram no mercado de trabalho exercendo uma função que não lhes dá nenhum prazer, tornando suas tarefas diárias uma grande tortura.

Se nos encontramos infelizes no trabalho, é possível que essa adversidade prossiga conosco além do horário comercial. Algumas pessoas tornam-se amargas, apáticas e descontam seus sentimentos de frustração em familiares, amigos ou fogem, mergulhando em vícios: cigarro, comida, bebida, o que traz uma sensação de alento apenas passageira, agravando a tristeza.

A maioria de nós costuma desperdiçar pequenas oportunidades de felicidade apenas porque de frustração em frustração a alma cansa, se inibe, correndo o risco de se fechar para o novo.

Lembro-me de ter visto pessoas reduzirem a própria existência a uma interminável lista de obrigações, por se julgarem incapazes de alcançar a realização profissional, ou por não se considerarem merecedoras das coisas boas que poderiam viver.

O que pode ser feito para mudar esta situação? Penso que quando você percebe que sua vida profissional não lhe agrada, seja a hora de considerar a busca por seu verdadeiro dom.

A resposta para a simples pergunta “Qual é o seu dom?” tem um poder revelador. Em geral, ao serem indagadas sobre esta qualidade inata, as pessoas deixam de lado a expressão de desânimo e seus olhos brilham. Algumas ficam confusas, pois nunca se sentiram dotadas de um talento, ou apenas não haviam pensado sobre isso.

Somos induzidos a ter dinheiro e sucesso através de uma ocupação, e muitas vezes abandonamos algo que temos de especial quando escolhemos nossos caminhos profissionais, sem levarmos em conta a dádiva que recebemos ao nascer.

Encare o desafio de conhecer a si mesmo, de viver e assumir seu dom, de superar obstáculos e de ser reconhecido por isso. Procure dentro de si aquele sonho que dá sentido à sua existência. Descarte as aspirações que são dos outros e faça questão de perseguir e viver aquelas que são realmente suas. Você merece ter uma vida feliz. Viva seu dom!

(*) Dominique Magalhães - De origem simples, Dominique Magalhães, empresária com forte foco no social, nasceu no Rio de Janeiro, mas viveu dos oito aos vinte e seis anos em Carangola, município localizado em Minas Gerais. Saiu do interior com objetivo de trabalhar seu talento e vocação. Em busca da profissão dos sonhos, desempenhou várias funções que foram de cabeleireira à vendedora. Em 2005, movida pela paixão de escrever diálogos e roteiros, montou a Dom Produções Criativas, uma produtora audiovisual independente. Atualmente, é autora do método “Dom” e “Projeto Social Dom – Qual é o seu dom?” – cujo objetivo é levar as pessoas a compreenderem, capacitarem e compartilharem seus dons, para obterem uma vida plena e feliz. Escreveu também o livro “O que falta para você ser feliz?” e é idealizadora do projeto audiovisual & plataformas SEM MALAS.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions