A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

29/03/2016 10:22

Segurança e qualidade na saúde: como identificar e reduzir eventos indesejados?

Por Rima Farah (*)

A saúde é direito de todos e dever do Estado. Esta declaração está na Constituição Federal de 1988 e, sem dúvida, foi um grande avanço em direção a cobertura de saúde para a população brasileira. Mas, como podemos avaliar a qualidade dos serviços de saúde prestados? Como oferecer qualidade nos processos, práticas e tecnologias que são utilizadas em serviços de saúde?

Os meios de comunicação têm noticiado diversas falhas na prestação de cuidados aos pacientes: cirurgias no paciente errado ou no lado errado do corpo, fuga de pacientes, erros de administração de medicamentos, permanência de materiais cirúrgicos no corpo após um procedimento etc. As instituições de saúde precisam muito mais do que boas intenções para implantar a cultura de segurança para prevenir estes eventos.

Os fatores envolvidos no processo para que os cuidados prestados sejam considerados seguros e de qualidade são vários, e são temas de interesse e atenção no mundo inteiro, mobilizando organismos nacionais e internacionais, como a OMS (Organização Mundial de Saúde) e a JCI (Joint Commission International), maior agência certificadora da qualidade e segurança em saúde, do mundo.

Apesar de políticas públicas de saúde que visam aumentar a segurança e a qualidade dos cuidados, como o PNSP (Programa Nacional de Segurança do Paciente), alcançar a cultura de qualidade tem sido um grande desafio, principalmente para hospitais que ainda estão começando a discutir sobre conceitos e princípios de qualidade.

Para atingir o nível de segurança desejável é necessário usar metodologia e ferramentas adequadas para identificar e reduzir os riscos de ocorrência de eventos adversos; implantar as metas internacionais de segurança; garantir o gerenciamento e uso de medicamentos; prevenir e controlar infecções; e oferecer ambiente e instalações seguras, profissionais treinados e pacientes educados quanto aos seus direitos.

Existem ferramentas de autoavaliação que identificam o nível de desenvolvimento relacionado aos Fundamentos de Qualidade e Segurança no Cuidado ao Paciente. A partir deste processo, as instituições de saúde podem planejar as ações necessárias para melhorar os seus cuidados de saúde, monitorar seus resultados e manter a qualidade e segurança dos serviços fornecidos. Assim começa a jornada rumo à qualidade na saúde, um direito de todos os pacientes.

(*) Rima Farah é enfermeira, com especialização em administração hospitalar pela Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e mestre em Avaliação de Sistemas, Programas e Instituições pela Fundação Cesgranrio; atualmente, atua como educadora para a melhoria da qualidade e segurança assistencial em instituições de saúde no Consórcio Brasileiro de Acreditação, parceiro associado da Joint Commission International no Brasil.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions