A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Junho de 2018

13/09/2016 09:50

Sem pacificação não vamos a lugar nenhum

Por José Zeferino Pedrozo (*)

O recém-encerrado processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff, agora em caráter permanente, exige uma avaliação isenta e escoimada de apegos ideológicos. De um lado, é necessário reconhecer que as instituições republicanas revelaram-se suficientemente fortes e maduras para cumprir rigorosamente os preceitos constitucionais e o rito definido pelo Superior Tribunal Federal.

Apesar disso, cidadãos engajados nos partidos políticos a favor ou contra o impeachment levarão décadas discutindo essa matéria, mantendo férreas posições doutrinárias – uns considerando o episódio um golpe, outros aceitando a plena normalidade do estado de direito.

Nesse período pós-impeachment, mesmo que perdurem manifestações públicas nas ruas, ações na suprema corte e a pregação do golpe e não-golpe, é urgente iniciar um esforço de pacificação. Obviamente não estamos em luta armada, mas, não é exagero falar em pacificação porque a exacerbação pode chegar a níveis perigosos.

O caminho é acreditar nas instituições e renovar a fé no regime democrático. Levamos séculos para concluir que, embora imperfeita, a democracia ainda é o melhor caminho por basear-se nos princípios da soberania popular e da distribuição equitativa do poder, na liberdade do ato eleitoral, na divisão dos poderes e no controle da autoridade.

Nesse estágio é necessário desarmar os ânimos, abandonar o radicalismo das posições ideológicas e estender uma ponte para o diálogo com o objetivo de manter a normalidade institucional. Não colherão paz nem harmonia aqueles que, agora, apostam no confronto, na violência, na desordem, na disseminação do medo e na pregação do caos.

Nunca antes foi tão essencial o bordão do pavilhão nacional – Ordem e Progresso – como nessa fase particularmente sensível da história brasileira para a retomada da normalidade da vida brasileira. Precisamos de paz para restituir a fé no futuro, a confiança no mercado, a coragem de iniciar as reformas, a ousadia de empreender e a vontade de acertar.

O País tem pressa. Perdemos muito tempo com essa crise. Grande parcela dos avanços sociais dos últimos anos foi impiedosamente neutralizada pela presente crise econômica e política. Necessitamos barrar o rolo compressor dessa conjuntura e iniciar um gradual e incessante processo de retomada do crescimento.

Tudo isso inicia com a pacificação que deve dominar a mente e os corações de todos, especialmente daqueles que detém algum nível de liderança. O primeiro compromisso do líder é com a paz, a justiça e o futuro.

(*) José Zeferino Pedrozo é presidente da Faesc (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina)

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions