A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

21/03/2018 12:36

Somos todos irmãos!

Por padre Roger Araújo (*)

O progresso da sociedade não passa somente pelas descobertas científicas e tecnológicas que permitem melhorar o estilo de vida e a relação das pessoas entre si e com o meio em que vivem. O progresso passa pela superação das visões distorcidas e o reconhecimento das interpretações erradas que se faz dos conceitos da vida.

Entre os conceitos a serem superados e exterminados da convivência humana, deve se destacar os preconceitos sobre todos os aspectos e formas. Não se pode admitir de forma alguma que se alimente distinção, separação, discriminação, racismo ou qualquer “apartheid” Social.

A discriminação social é um dos mais graves atentados que já se cometeu contra a humanidade e que ainda sobrevive na cabeça e nos corações de diversos grupos humanos que não conseguiram evoluir ou mesmo rever seus próprios conceitos formados em momentos muito obscuros da história humana.

A discriminação racial classifica os seres humanos de acordo com a cor da sua pele, sua raça e suas origens, alimentada por teorias preconceituosas, que ensinam que há raça superior a outra e pessoas melhores. Todas estas teorias já foram refutadas e reconhecidas como fúteis por não serem nem honestas e menos ainda humanas.

Não basta refutar as teorias, é preciso combater as práticas e a comunicação preconceituosa que ainda se permite cultivar em determinados ambientes e nas interatividades sociais. Ninguém nasce racista ou preconceituoso, se aprende em algum lugar. O ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, afirmou: "Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele ou por sua origem, ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender”.

O fato é que não basta somente ensinar o fim do preconceito racial, se faz necessário ensinar a amar. E amar a todos de forma indistinta e sem nenhum sentimento de orgulho que leve alguém a sentir-se superior ao outro. O amor a todos os seres humanos deve ser cultivado nos lares, ambientes e espaços de convivência. Ninguém foi criador inferior a ninguém e tampouco nasceu para ser melhor que ninguém. Os desníveis são uma falta de harmonia na convivência humana e, acima de tudo, falta de amor humano injetado nas veias e no coração.

O fato é que ainda há pessoas que absorveram alta dose de preconceito, racismo e soberba comportamental dentro dos seus próprios lares, e alimentam ou mesmo disseminam estes conceitos vergonhosos e humilhantes.

Não podemos tolerar brincadeiras ou piadas que humilhem e destratem qualquer pessoa. Não pode-se admitir escolhas preferenciais que discriminem a cor da pele do outro, como se ele fosse inferior. Não se pode elevar ninguém a custa da humilhação de outra pessoa.

O racismo e o preconceito racial devem ser tão repudiados como se rejeita a fome, a miséria, a guerra e a todos os crimes. Não há diferença entre racismo de branco ou de negro. Todo racismo é selvagem e desumano. Ele fere de forma letal a convivência sadia, projeta pessoas egoístas e ignorantes e joga outros no campo da marginalidade social.

As práticas de preconceitos raciais devem ser denunciadas e combatidas como qualquer outro crime. Nunca se deve considerar tais práticas como uma coisa menor ou sem importância. A indiferença ou o pouco caso com um assunto tão sério aumenta a prática disseminada - mesmo que inconsciente - deste comportamento doentio.

Não se combate o mal com o mal, mas com a verdade e o bem. A verdade a ser ensinada, vivida e praticada é a que somos todos irmãos e irmãs, temos um Único e mesmo Pai a quem chamamos de Deus. Um Pai que tem filhos de todas raças, apontando para a riqueza da diversidade e beleza da interatividade. O bem precisa ser vivido, ensinado e praticado e ambientes separatistas e discriminatórios devem ser abolidos da convivência humana. Não basta ser contrário ao preconceito racial, é preciso viver e ensinar a viver o amor entre todos.

(*) O padre Róger Araújo é jornalista e membro da Comunidade Canção Nova. Apresentador do Programa “A Bíblia no meu dia a dia” na TV Canção Nova. Autor dos livros “João Paulo II – Uma vida de Santidade”, “Repensando a Vida” e “Descomplicando a Vida” pela Editora Canção Nova.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions