ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 22º

Artigos

Tantos nós habitam os educadores populares

Por Hélen Fagundes da Silva (*) | 15/04/2024 09:00

Este texto apresenta um recorte da monografia escrita pela autora e busca trazer ao debate a Educação Popular como uma alternativa pedagógica para as aulas de Geografia.

Sendo mobilizada pela compreensão de que a socialização de trajetórias docentes é indispensável para o processo formativo de educadores populares, fez-se uma investigação apoiada no método (auto)biográfico, a partir do dispositivo das narrativas, para conhecer histórias de vida de três professores de Geografia que têm na Educação Popular sua principal base para a prática docente.

Esta pesquisa transita entre a importância de se auto refletir, não só como professores e professoras de Geografia, mas também nas múltiplas esferas de ser-no-mundo. O termo auto utilizado entre parênteses representa o duplo significado que a (auto)biografia proporciona, entre aquele que narra e auto reflete sobre si a partir de sua história de vida e aquele que escuta e também se ressignifica a partir do outro.

Esta experiência revela o real milagre dos encontros dentro e fora da Geografia que nos transformam, tal como a Geografia auxilia-nos a realizar uma leitura crítica dos espaços e tempos em que vivemos.

Com base nas narrativas produzidas, percebeu-se que as urgências do nosso tempo exigem uma formação reflexiva e a construção de alternativas que têm de estar junto da vida do educador e da educadora e dos saberes necessários à profissão docente nos dias de hoje.

Esses saberes são aqueles que nos fazem querer ensinar com sentido e compromisso, fora dos padrões impositivos e sem liberdade. Afinal, as escolhas entre uma Educação Popular e uma educação bancária são construções feitas ao longo do percurso de nossa vida.

A formação de educadores populares dentro do contexto do ensino de Geografia é apenas uma ponta dos muitos fios que se enrolaram ao longo da investigação, especialmente no que alcança a compreensão de que é possível aprender a ser educador sobre e com a própria vida.

Josso (2004), apresenta figuras de ligação e nós (auto)formativos que foram utilizados para análise das narrativas produzidas, na qual dois nós despontam nestas histórias de vida: o nó de cabestan e o nó górdio. Isso porque o nó de cabestan mostra-nos a maneira como ao longo do curso de nossas vidas escolhemos os portos onde iremos atracar e permanecer por determinado tempo, mas sabemos que chegará a hora de partir, ainda que possamos revisitá-los em nossas memórias.

O nó górdio, por sua vez, diz respeito aos laços que não desatam, são laços familiares, transgeracionais, de amizade, afetivos, religiosos, tecidos involuntariamente com pessoas que estiveram ao nosso lado por muito tempo e conquistaram um lugar em nossas vidas. É difícil desligar-se ou distanciar-se de um nó górdio, pois os laços construídos são fundadores e existimos perante eles.

Desligar-se, portanto, nem sempre é possível, mas religar-se a partir da reflexão sobre este laço representa uma maneira possível para desfrutar de outros espaços de liberdade e assim habitar nossa existência.

Os nós (auto)formativos presentes neste texto representam deslocamentos entre ligar e religar os laços que auxiliaram os professores narradores a perceber que é possível aprender a ser educador sobre e com a própria vida. Trata-se, portanto, de compreender o movimento interno de cada sujeito no fortalecimento e empoderamento enquanto docente em constante transformação e ressignificação de suas ações.

Como o nó de cabestan sugere, neste ponto chegamos ao momento em que precisa-se partir, aquele porto onde estávamos atracados já não responde todas as perguntas de nossa existência; por isso, é preciso buscar novos horizontes. O nó górdio, por mais que não desate, também não limita, ele é um nó formador na primeira parte de nossas vidas.

Eis o fio puxado deste nó de cabestan vivenciado pelos professores narradores: a tomada de consciência em relação à Geografia. Fica evidente nas três narrativas o lugar especial que a Geografia assume ao ser uma ferramenta de compreensão das realidades e a maneira como isso influencia em sua prática docente.

Este aprendizado quanto às construções feitas através da Geografia leva os professores à busca de uma Geografia com sentido na já revelada dimensão de seu ser-no-mundo, não apenas para si, mas no encontro com o outro.

Para os três professores, os encontros com esses outros que tiveram ao longo do tempo de escola e universidade foram essenciais. O que os três professores narradores têm em comum nesse encontro é a inquietação quanto ao seu papel na vida social.

Essa inquietação com a universidade, a Geografia e o ser professor é o que os leva a buscar outros espaços educativos que dialoguem com a educação que acreditam. É quando encontram-se com a Educação Popular.

Este nó da Educação Popular chamamos nó de pertencimento, sendo ele um conjunto de todo o percurso de vida familiar, escolar, universitária e cotidiana que fez com que os três professores convergissem neste espaço formativo – declaram ser nele que passam a se entender educadores.

Através da escuta das narrativas percebe-se as relações entre vida pessoal, formativa e profissional no caminho percorrido pelos professores de Geografia para se tornarem educadores populares. Esta compreensão enquanto educador ocorre porque estão em movimento, sempre em busca de respostas sobre seu ser-no-mundo para produzir significados em suas aulas.

Eis que a Educação Popular mostra-se como um elo que aproxima três histórias de vida muito distintas (sujeitos de gênero, classe e raça diferentes) no reconhecimento de si como educador/a e no seu significado social.

Talvez esteja neste enredo de tramas a grande descoberta a respeito de se tornar professor: sempre transformar-se por meio de novas perguntas que nos levam à reflexão do eu. Eis aqui a dimensão do ser-no-mundo, do movimento não apenas para si, mas no encontro com o outro, entre tantos seres, de carne, afeto e verdade, e entre tantos laços que nos sustentam.

(*) Hélen Fagundes da Silva é licenciada em Geografia e mestranda em Ensino de Geografia no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRGS.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do portal. A publicação tem como propósito estimular o debate e provocar a reflexão sobre os problemas brasileiros.

Nos siga no Google Notícias