A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

15/05/2015 14:10

Terceirização ou trabalho temporário?

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Época difícil. O artificialismo e manipulações do câmbio, controle do trabalho e outros fatores estão provocando a desindustrialização em vários países pela impossibilidade de uma concorrência equitativa. A questão é como recuperar o equilíbrio geral na produção, comércio, empregos, balança de pagamentos. Falta uma globalização humana que respeite as individualidades dos povos.

Com o dólar a preço de banana, os produtos importados ficam bem baratos, sendo que grande parte deles é produzida por mão de obra precária em inóspitas condições de trabalho, pois os exportadores visam o acúmulo de capital e fazem qualquer coisa para ter preço baixo. Por isso acabamos importando a precarização do trabalho, cujas relações vão sofrendo modificações impostas pela acirrada concorrência.

No Brasil, discute-se no Congresso a lei da terceirização, um outro nome dado para trabalho temporário, muito comum no Canadá e Estados Unidos, que simplifica as relações do trabalho e elimina o contrato permanente. O trabalhador é chamado quando a empresa tem encomendas ou serviços a prestar, e recebe durante certo período, geralmente mais do que receberia no Brasil. Se houver a justa remuneração pelo serviço prestado, o regime de trabalho temporário não se afigura como maldoso.

Em muitos países onde predominam condições precárias, o trabalhador tem de permanecer horas seguidas na empresa, muitas vezes executando uma tarefa repetitiva, recebendo o mínimo que os patrões se dispõem a pagar. O desarranjo e as manipulações do câmbio, o controle do trabalho e outros fatores estão impossibilitando uma concorrência equilibrada entre os países. Haveria mais condições para a paz e progresso se mecanismos garantissem relações de troca mais sadias entre os povos, visando o atendimento das necessidades humanas, inibindo o moderno mercantilismo que usa de meios impróprios para reduzir custos e acumular dólares.

Inegavelmente há um descompasso entre o progresso da tecnologia e a evolução humana. Os doutores das ciências e as elites governantes não conseguiram ou não se dedicaram com afinco a essa questão. Medos, insatisfação e ódios surgiram e cresceram, em vez do respeito e da consideração. Como modificar as mentes direcionadas para a competição e o conflito, conduzindo todos para a meta do progresso e do bem geral?

No passado, por incompreensões e conflitos, o dinheiro era execrado; agora se tornou poderoso ídolo da humanidade causando grandes distúrbios. É preciso entender a transitoriedade da vida, colocar o dinheiro no seu devido lugar e prosseguir construindo beneficamente, em todos os setores para eliminar as misérias e os conflitos. A natureza e seus recursos são a grande riqueza doada aos seres humanos para um viver pacífico e feliz.

A Criação, uma realização do Amor Divino, concede a oportunidade para o espírito humano se conscientizar e evoluir, através da responsabilidade de colher as consequências da própria atuação. Não é segredo para ninguém que os humanos têm agido com displicência e colhem o bom e o mau, nesta vida ou em outra, pois é da justiça maior. Os bens e o dinheiro são importantes, mas não poderiam ter sido guindados à posição de prioridade, pois a vida é mais do que a diminuta existência terrena.

Uma nova visão de mundo começa a se esboçar. Se as pessoas conhecessem o real significado da vida haveria o equilíbrio em tudo o que empreendessem, pois o homem é parte da natureza e deve respeitar as suas leis. Há de surgir a integração entre o homem e a Criação para favorecer o progresso, a paz e a felicidade.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions