A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

09/04/2018 12:47

Trânsito e Cotidiano

Por Renan da Cunha Soares Júnior (*)

Todos os dias, nos deparamos com situações no trânsito que nos levam a crer que o respeito ao próximo e à vida humana tem ficado enfraquecido com o passar dos tempos. Vivemos, sem dúvida alguma, a era da motorização individual, comprovada pelos números da média de ocupação dos veículos e do crescimento da frota. A cada dia, temos um número maior de montadoras instaladas no País, oferecendo vários tipos de veículos e para todos os bolsos. Podemos inclusive comparar a massificação pela venda de veículos com o que já acontece com os telefones celulares e computadores, que trabalham pelo prisma de que cada cidadão precisa e deve ter o seu próprio item como condição de bem-estar.

A vivência diária, cada vez mais individualizada, com um estilo totalmente baseado no consumo, tem convertido uma boa parte de nós, brasileiros, em pessoas extremamente autocentradas. Mas e os reflexos desse modelo? O enfraquecimento de alguns valores está presente no cotidiano como um todo e pode ser apreciado também no trânsito nosso de cada dia, como no avanço infracional de uma rotatória ou semáforo.

É alarmante a despreocupação com o bem do próximo, com a segurança da coletividade, especialmente no caso do trânsito. Mais do que a preocupação em achar culpados, devemos pensar no que cada um de nós tem feito para mudar esse quadro. Que tipos de comportamento temos? Quais valores e exemplos temos expressado em nossas relações? Os primeiros flagrantes de infrações, como falar ao telefone celular e conduzir, dirigir depois de ter ingerido bebidas alcoólicas e praticar excesso de velocidade, muitas vezes acontecem com crianças presenciando seus pais e pessoas próximas como infratores.

Não queremos aqui crucificar ninguém, mas até quando vamos ficar somente reclamando? A reforma íntima que cada um de nós pode operar, é o primeiro passo para um dia a dia mais humanizado e sensível. O respeito aos mais velhos, às diferenças, aos que estão em desvantagem em relação a nós, deve estar sempre norteando nossa maneira de agir no trânsito e fora dele. Deixemos de lado a intolerância e façamos uso da paciência. Aquele que é consciente de seus direitos e deveres consegue trocar de lugar com o outro, procura ser mais gentil, e, no mundo da mobilidade, tudo é transitório, o agora poderoso condutor é também, em novo momento, frágil pedestre e vice-versa.

Se sozinhos somos força insuficiente para mudar o paradigma do trânsito como um todo, somos senhores para guiar nossas próprias ações com sabedoria, tolerância e humanidade. Afinal, o comportamento coletivo é o reflexo de pequenas ações de cada um de nós. Se fizermos nossa parte, que por vezes parece uma gota d’água frente a um oceano, poderemos deixar de ser a gota d’água que faz transbordar o vaso do individualismo, para ser a gota que enche um pouco mais o cálice da vida.

(*) Por Renan da Cunha Soares Júnior é psicólogo, coordenador do curso de Psicologia da UCDB e Doutorando em Psicologia pela UCDB.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions