A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

27/01/2014 08:33

Truão da corda bamba

Por Bruno Peron (*)

Em decorrência de nossa meia-cidadania (questão que, de tão importante, já tratei em muitos textos) e da Lei de Gérson institucional (questão que ainda merecerá atenção noutra oportunidade), cada brasileiro tem sido tratado como truão da corda bamba pelos leões e hienas do governo federal. O país passa frequentemente por situações de instabilidade social (como a crise nos presídios do Maranhão e a queima de ônibus como forma de protesto no estado de São Paulo). Não temos conseguido esticar a corda sobre a qual transitamos, nem deixá-la firme e resistente.

Além disso, o Brasil funciona com estímulos esporádicos e intensos. Surtos de seu desenvolvimento ocorreram com medidas emergenciais ou autoritárias: os 50 anos em 5 de Juscelino Kubitschek, o “milagre econômico” de Emílio Médici, o Plano Real durante o governo de Itamar Franco e os espetáculos esportivos (Copa e Olimpíadas) deixados por Lula, o Exterminador da Fome. Não há um curso natural de desenvolvimento no Brasil que seja consistente, progressivo e sustentável. Seus presidentes carregam uma bomba acesa e deixam-na a seus sucessores. Nalgum momento, esta bomba estoura em crises de governabilidade e planejamento.

Uma delas refere-se às obras infraestruturais dos aeroportos brasileiros para a circulação de turistas nacionais e estrangeiros durante a Copa de 2014. O andamento dos projetos e dos trabalhos tem causado preocupação a autoridades brasileiras e crítica de representantes da FIFA (Federação Internacional de Futebol, traduzido da sigla em francês). O motivo é que a realização dos investimentos sofre atrasos, os gastos do governo têm sido muito mais altos que o orçamento que se propôs inicialmente, e a finalização de parte dos projetos coincidirá com o início dos jogos em junho. Uns ganham e outros perdem com este banquete orçamentário.

Os aeroportos das 12 cidades-sede da Copa de 2014 receberão R$ 5,6 bilhões de investimentos públicos e privados. (http://www.infraero.gov.br/images/stories/Obras/press_kit_MATRIZ_DE_RESPONSABILIDADE_010611.pdf). Estas serão as cidades-sede: Manaus, Fortaleza, Natal, Recife, Salvador, Cuiabá, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Entre os investimentos infraestruturais nos aeroportos brasileiros, cito a construção e a reforma de terminais, e a ampliação de pistas de pouso e de táxi. Ainda que fora do período da Copa e em épocas festivas, os aeroportos brasileiros já dão sinais de saturação e falta de organização.

Como se não bastasse, mencionei num parágrafo anterior que o preço que o governo federal tem gasto com as reformas dos aeroportos tem ficado muito acima do orçamento que ele recebeu das empresas envolvidas. Para dar alguns exemplos, a reforma do terminal de passageiros do aeroporto de Curitiba ficou 166% mais cara, enquanto o de Salvador, 164%.

A mesma preocupação com o orçamento mais caro é válida para a construção e a reforma dos estádios (as Arenas), as obras de mobilidade urbana e a modernização de portos.

Na história do Brasil, as cidades têm-se fundado com o amparo do poder religioso (quase sempre a partir de uma praça central e uma Igreja) e do poder econômico (algum produto de valor comercial que caracteriza uma região: cana-de-açúcar, café, laranja, borracha, etc.). Os recursos gerados por certas mercadorias impulsionam a expansão das cidades. Desta vez, teremos aeroportos mais modernos devido ao negócio do futebol no Brasil, ou seja, seu histórico de comercialização de bens e serviços futebolísticos com os quais o país é renomado.

Malgrado os problemas infraestruturais para a realização da Copa em 2014, o governo federal espera deixar um legado que melhore a vida dos brasileiros. Portanto, estes gastos governamentais não são completamente infaustos, já que milhões de brasileiros se beneficiarão de aeroportos mais modernos. Resta saber se as empresas aéreas atenderão à expectativa dos viajantes quanto à organização e à pontualidade. Sem discutir estas particularidades, muitos contam nos dedos de uma mão quantas vezes entraram num estádio ao longo de toda sua vida; outros esperam viajar mais de avião depois que baixem os preços das passagens. A corda continua bamba.

(*) Bruno Peron é acadêmico e articulista

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions