A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018

05/07/2012 10:44

Um governo que acredita na indústria, por Sérgio Longen

Por Sérgio Longen (*)

A atividade industrial experimentou nas últimas décadas uma quase ausência do comprometimento do Governo Federal com o seu potencial para impulsionar a economia do país, via geração de novas e boas oportunidades, mais empregos e melhores salários. O que, afinal, resulta em divisas e aquece o consumo interno. Talvez por isso, o setor reduziu drasticamente seus níveis de expansão, de investimento, deixando de alcançar plataformas desejáveis de inovação, competitividade e produtividade, não necessariamente nesta ordem.

Para que o Brasil se torne competitivo é preciso investir em novas tecnologias que permitam a modernização do processo de produção e, acima de tudo, reduzir o chamado Custo Brasil que inviabiliza qualquer iniciativa empresarial para aprimorar seu parque industrial, contratar mais, conquistar novos mercados, romper fronteiras, enfim, fazer movimentar com mais vigor esta engrenagem que ainda é um dos pilares de qualquer economia estável no planeta.

É relevante assistir a presidenta Dilma Rousseff mobilizar esforços para construir uma agenda positiva para a indústria. Este, sem dúvida, é um avanço considerável, pois resgata e, talvez mais do que isso, cristaliza o compromisso do Governo Federal com a nossa atividade e tudo o que pode produzir para melhorar a vida das pessoas. A decisão da presidenta Dilma em reabrir e manter o diálogo com a indústria, por meio da nossa representatividade na CNI (Confederação Nacional da Indústria), já está produzindo boas notícias.

O Pronatec, um Programa do Ministério da Educação concebido em conjunto com a CNI e outras entidades, está oferecendo um total de 3,5 milhões de vagas para cursos técnicos em todo o país até 2014. Para Mato Grosso do Sul trouxemos 36.582 vagas para atender os alunos do ensino médio que estejam cursando as escolas estaduais. O mérito de promover a integração do Senai e outras entidades do Sistema S, como Sesc e Senac, já seria suficiente para ampliar as oportunidades de educação profissional para milhões de jovens. Mas, a presidenta Dilma vem fazendo mais.

O Governo Federal está apoiando o Programa Senai de Competitividade Industrial com investimentos da ordem de R$ 1,9 bilhão, financiados pelo BNDES. Este Programa vai implantar 23 Institutos de Inovação, em parceria com o Instituto Fraunhof da Alemanha e com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Também serão construídos 38 Institutos de Tecnologia, assim como a criação e fortalecimento de 53 Centros de Formação Profissional e 81 novas Unidades Móveis de Educação Profissional, atendendo todo o país.

Este Programa trouxe para Mato Grosso do Sul um total de R$ 74 milhões que serão investidos nas construções do Instituto Senai de Inovação de Biomassa, em Três Lagoas, do Instituto Senai de Tecnologia em Automação, Energia, Alimentos e Bebidas, em Dourados, e de uma nova escola do Senai em Campo Grande, além das aquisições de 2 novas unidades móveis – uma de mecânica diesel e outra de colheita florestal.

Está claro que os bons caminhos para a indústria brasileira seguem um roteiro que, necessariamente, deve ser escrito conjuntamente pelos empresários, suas lideranças e Governos. Só assim conseguiremos extrair todo o nosso potencial produtivo, criativo e inovador. No seu movimento mais evidente na esfera estrutural, em outubro do ano passado, o Governo Federal lançou o Programa Brasil Maior, sinalizando investimentos de R$ 14 bilhões.

Em abril deste ano, promoveu estímulo a setores estratégicos, aumentando créditos subsidiados pelo BNDES e desoneração de impostos a outros. No mês passado, novas medidas para o setor, com regras mais flexíveis para o segmento automobilístico. Se ainda não são a totalidade das medidas necessárias para atender a indústria brasileira, demonstram uma determinação pouco vista nos últimos anos para estimular a nossa produção.

O diálogo entre nossas lideranças e o Governo da presidenta Dilma consolida um cenário com juros mais baixos, desoneração da folha de pagamento para alguns segmentos, redução de impostos , mais acesso a linhas de crédito e ampliação da oferta de vagas para educação profissional. É, sem dúvida, uma realidade bem mais adequada a um país que pretende ser uma das maiores economias do mundo. Ações que influenciam decisões e provocam mudanças simbolizam uma nova relação com o setor produtivo deste país.

Após anos de silêncio, estamos diante de um Governo que acredita e investe na indústria.

(*) Sérgio Longen é empresário do setor de alimentos e presidente da Fiems – Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul.

Momento supremo
Existe um momento supremo em nossas vidas? Um momento em que se atinge um clímax, em que tudo se realiza? Nesse caso é um momento só? Único? Isolado?...
A percepção do consumidor está na experiência digital
A conveniência da internet transformou o varejo e as compras on-line em experiência de consumo compartilhadas em tempo real. Mas o que isso quer dize...
Que tiros serão esses?
O Brasil nunca viveu uma guerra civil. Mas já amargou momentos em que os militares oprimiram o povo, suprimindo garantias individuais, suspendendo a ...
O destino de uma nação
Há filmes que valem por um ator ou atriz. Outros, por uma cena marcante. 'O Destino de uma Nação', dirigido por Joe Wright, reúne esses dois elemento...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions