A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

07/03/2017 15:36

Uma mulher que descobriu seu valor, a que se pode compará-la?

Por Djanira Silva (*)

A mulher que descobriu seu valor demonstra sempre grande atenção em suas relações, porque sabe reconhecer nas pessoas o bem que cada um carrega na alma, embora muitas vezes esteja coberta pelos escombros da perda e dor. Ela sabe quem é, de onde veio, e para onde vai, por isso, não pára no que é vazio, transitório e mesquinho. Comunica-se sempre com respeito porque sabe que é dele que depende o sucesso de toda e qualquer relação neste mundo.

Para com todos, usa de delicadeza e maturidade, procurando compreender e praticar o que a caridade exige a cada momento, sem deter-se no julgamento. Nunca perde de vista a dignidade, nobreza e as inspirações mais íntimas de sua alma porque sabe que é aí onde Deus mora. É uma pessoa de paz porque não é apegada às próprias ideias, sabe falar, mas também sabe ouvir sem se chocar com os outros. Preocupa-se, geralmente, em fazer tudo com amor, bem feito, por isso é segura em seu agir.

Por outro lado, a mulher que ainda não descobriu seu real valor, pode até estar convencida de sua popularidade, mas na prática, muitas vezes se comporta como um elefante em uma loja de porcelana. A delicadeza, expressão nata da alma feminina não se compra em lojas, nem se produz com filtros ou efeitos especiais, é um dom dado de graça pelo Criador, que aliás teve também a ideia de fazer o coração da mulher bem parecido com o d’Ele: disposto a amar até às últimas consequências.

A Sagrada Escritura não relata muitas coisas a respeito da feminilidade de Maria, a Mãe de Jesus, mas chama-me a atenção a maneira como descreve tão detalhadamente a passagem das “Bodas de Caná” (Jo19, 25-27), permitindo que imaginemos o agir daquela que é “bendita entre as mulheres.”

A mulher que a exemplo de Maria já descobriu seu valor, tem posse de um comportamento delicado, mas também a coragem de agir quando é preciso. Maria não apenas percebeu que faltava o vinho e assimilou o embaraço dos noivos, como também foi procurar a solução para o problema e a encontrou em Jesus. Ela mais do que ninguém, já sabia que está Nele a capacidade de fazer a transformação que a humanidade precisa e continua a nos ensinar o mesmo caminho apresentado em Caná: “Fazei tudo o que Ele vos disser”...

Por isso, quando pensamos em uma mulher que descobriu sua dignidade e valor, podemos certamente compará-la a um raio de sol que desponta anunciando um novo amanhecer. Ilumina tudo com seus variados tons e aquece o universo com o calor do seu fecundo amor. Diz, muitas vezes, mesmo sem palavras, que a vida não acaba no entardecer de uma perda; existe uma nova chance em cada amanhecer. Portanto, a exemplo de Maria, podemos ir hoje até Jesus, com a água que temos, para que Ele a transforme em “vinho novo”, capaz de saciar o mundo que tem tanta sede de amor.

(*) Dijanira Silva é missionária, autora do livro “Por onde andam seus sonhos”, e apresentadora da Rádio América em São Paulo e do programa “De mãos unidas” da TV Canção Nova.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions